Com tempo seco, aumenta procura a prontos-socorros

Com a grande massa de ar seco que deixa os dias quentes em plena época de inverno, não são apenas os termômetros da capital que registram aumento de temperatura. A demanda dos prontos-socorros de São Paulo também cresce. De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde, os problemas respiratórios provocados pela baixa umidade do ar ampliam em 30% o número de atendimentos. O crescimento é ainda mais acentuado nos ambulatórios pediátricos, em que a porcentagem de aumento atinge os 50%.Só no Hospital Infantil Darcy Vargas, zona sul, a média de internações por doenças do ar seco passou de 150 pessoas por mês para 240 só em julho. Já no Instituto da Criança do Hospital das Clínicas, zona oeste, dos 200 atendimentos de emergência, cerca de 50% são relacionados a asma, bronquite, rinites e sinusites. Situação semelhante acontece no Instituto de Atendimento ao Servidor Público estadual (Iamspe), que constatou um aumento de 40% na movimentação de pacientes no Pronto Atendimento."Dois fatores fazem com que cresça a quantidade de pessoas nos PS. Nos pacientes que já possuem alergias respiratórias, aumenta a ocorrência de crises. Atrelado a isso está o crescimento dos casos de virose, como gripes e resfriados", afirmou o diretor de saúde da Secretaria, Ricardo Tardelli.Na tarde de terça-feira, 25, o tempo seco também facilitou a propagação de um incêndio de grandes proporções numa área de mata fechada no km 12 da Rodovia dos Imigrantes, região do Jabaquara, zona sul. As chamas começaram às 15 horas e até o início da noite ainda não haviam sido controladas. Pelo menos 50 homens do 1º Grupamento do Corpo de Bombeiros tentavam chegar a pé ao terreno, que é de propriedade do governo do Estado.Na contramão do aumento das doenças e ocorrência de acidentes está a situação dos reservatórios de água que abastecem a região metropolitana. Apesar da estiagem, a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) registrou um aumento de 10% no nível dos mananciais. "Em julho de 2005, os níveis dos reservatórios estavam em 55,9%. Hoje, esse índice subiu para 65,6%", informou o diretor da Sabesp, Alberto Ferro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.