Comando da CPI quer divulgar gravações de voz da caixa-preta

No entanto, parlamentares defendem que os dados do computador de bordo do Airbus sejam mantidos em sigilo

31 Julho 2007 | 17h34

O relator e o presidente em exercício da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Apagão Aéreo defendem que sejam tornadas públicas as gravações de diálogo entre pilotos e torre de comando, que ficaram na caixa-preta do Airbus 320 da TAM, que chocou-se um terminal de carga da empresa. Mas os parlamentares querem que sejam mantidos em segredo os dados do computador de bordo, que também são gravados na caixa-preta.   O vice-presidente, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), diz ser favorável à divulgação do material da caixa-preta que não necessita de decodificação: a voz. "Do material que exige interpretação de técnicos, devemos esperar, para que não se tire conclusões precipitadas", afirmou, em entrevista coletiva à imprensa, antes da reunião secreta da CPI que vai decidir sobre o assunto.   O relator Marco Maia (PT-RS) tem a mesma opinião de Cunha. "Os dados que são factuais e que representam a realidade não têm porque não serem divulgados. Mas os que precisam de melhor análise e que sejam contributivos para se chegar a uma melhor reflexão do que ocorreu no acidente só podem ser divulgadas a partir de análises técnicas".   (Com informações da Agência Brasil)

Mais conteúdo sobre:
crise aérea vôo 3054

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.