Paulo Liebert/AE
Paulo Liebert/AE

Comando do DEM já vê Kassab fora do partido

Prefeito, que discutiu filiação com Michel Temer no feriado, articula-se [br]para concorrer ao governo em 2014; PMDB quer ter mais força em SP

Marcelo de Moraes / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

17 Novembro 2010 | 00h00

Dirigentes do DEM já admitem que será difícil impedir que o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, deixe o partido rumo ao PMDB, a partir do próximo ano. O prefeito conversou sobre o assunto no último feriado em São Paulo com o vice presidente eleito e presidente nacional do PMDB, deputado Michel Temer (SP).

O movimento, que não é confirmado oficialmente pelo prefeito, juntaria dois objetivos comuns. Kassab quer um partido com maior densidade do que o DEM para ter força para influir diretamente na sua sucessão na prefeitura no próximo ano e também para poder concorrer com chances ao governo de São Paulo em 2014. Por isso defendeu, sem sucesso, a fusão do DEM com o PMDB. Já os peemedebistas querem revitalizar sua presença em São Paulo com a possível filiação de Kassab.

Isso garantiria ao PMDB poder imediato, com o controle da maior capital do País, e recuperação de terreno político local, depois do fracasso nas urnas paulistas, quando elegeram apenas um deputado federal no Estado.

Os peemedebistas entendem que uma eventual entrada de Kassab pode ainda reforçar o projeto nacional de dar musculatura à legenda com a entrada de lideranças novas. Além de Kassab, o prefeito de Campinas, Doutor Hélio, poderia também trocar o PDT pelo PMDB.

A ponte com Kassab também serviria para que o PMDB aumentasse seu poder de negociação dentro do governo federal, já que sua candidatura ao governo paulista poderia viabilizar, pela primeira vez em vinte anos, a vitória de um político não filiado ao PSDB, mesmo levando em conta toda a sua proximidade política com o tucano José Serra.

Os tucanos controlam o governo paulista desde 1995. Nem mesmo a alta popularidade do presidente Luiz Inácio Lula da Silva durante seus oito anos de mandato foi capaz de quebrar a hegemonia iniciada naquele ano e, agora, ampliada com a eleição de Geraldo Alckmin. Se ficar no DEM, Kassab sabe que dificilmente seu partido não se aliará ao PSDB em torno do apoio à reeleição de Alckmin em 2014.

Questionado ontem sobre o assunto, o governador eleito afirmou: "Não tenho informação detalhada. Mas ambos nos apoiarão (DEM e PMDB). No Estado, não tem alteração", disse.

Infidelidade. Existe, entretanto, um obstáculo jurídico que atrapalha a ida de Kassab ao PMDB. O DEM poderá alegar infidelidade partidária e pedir à Justiça seu mandato. Se isso for aceito, Kassab deixaria de ser prefeito e a vice Alda Marco Antônio assumiria. Só que ela também é filiada ao PMDB, transformando a ação numa mera desforra política por não produzir nenhuma vantagem para o DEM.

"Queremos que o prefeito continue no partido. Por isso, nem estamos pensando em que tipo de ação jurídica poderíamos tomar", diz o presidente do DEM, deputado Rodrigo Maia (RJ).

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.