Combate à dengue em Campinas prossegue no inverno

A Secretaria de Saúde Municipal de Campinas e a Direção Regional de Saúde (DIR) 12, sediada na cidade, anunciaram que as atividades de combate à dengue deverão prosseguir mesmo durante o inverno, quando há redução da infestação do mosquito transmissor da doença. Segundo a enfermeira da DIR 12, Consuelo Gonzales dos Santos, não há como prever se o número de casos irá aumentar ou diminuir no próximo mês. No ano passado, o pico da epidemia em Campinas ocorreu em abril. "Este ano deverá ser diferente", disse a coordenadora da Vigilância Sanitária e Epidemiológica de Campinas (Covisa), Brigina Kemp. Ela lembrou que em 2001 a infestação ocorreu em janeiro e em abril atingiu seu ponto máximo. Foram 483 casos confirmados durante todo o ano passado. Para evitar que a epidemia se repetisse em 2002, a Covisa iniciou atividades de combate à doença antes do início do verão, em novembro. Mesmo assim, o número de infectados até o dia 21 deste mês já é de 647, ou 34% superior a todo o registrado em 2001. "Apesar de o número de ocorrências ter sido maior, começamos a combater antes e esperamos que não se repita o pico em abril", comentou Brigina. Para Consuelo, a tendência é que o número de casos diminua nos próximos meses, resultado das ações de combate à dengue. O bairro Campo Belo 2, na periferia da cidade, onde a epidemia começou este ano, é o local com maior incidência da doença. Dos 492 casos contraídos no município, 223 têm como vítimas moradores do Campo Belo, onde não há rede de água. No sábado, Dia D de Combate à Dengue em São Paulo, a prefeitura distribuiu 150 caixas d?água com tampas aos moradores do bairro. Mas Brigina disse que a medida surtirá efeito apenas a médio e longo prazo. "Por enquanto, é preciso eliminar criadouros e mosquitos", explicou. Ela acrescentou que o balanço das atividades de sábado deverá ser divulgado amanhã.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.