Começa desativação de Casa de Detenção do Carandiru

Começou nesta manhã a desativação oficial da Casa de Detenção do Complexo do Carandiru. Deixaram a prisão 140 presos, de um total de 7,5 mil que serão transferidos até março de 2002. Nesta primeira etapa, os presos serão enviados para 10 penitenciárias. A transferência foi feita em quatro ônibus. Durante a revista, antes dos presos entrarem nos coletivos, os policiais encontraram três deles com "clips" dentro da boca. Esse material de escritório pode ser usado para abertura de algemas e cadeados.O governador Geraldo Alckmin, acompanhado dos secretários Marco Vinício Petreluzzi (Segurança Pública) e Nagashi Furukawa (Administração Penitenciária), acompanhou a saída dos ônibus. Alckmin negou existência de "banda podre" na polícia paulista, ao se referir ao envolvimento de cinco investigadores em caso de suborno e atividade irregular ligada ao tráfico de drogas na região conhecida como "cracolândia". Um vídeo realizado pelo Ministério Público mostra policiais nessas atividades irregulares.Segundo Alckmin, esses policiais serão investigados e punidos. "Não tem banda podre em São Paulo, essa expressão foi usada no Rio. Policial corrupto vai para rua e para cadeia", afirmou Alckmin. Ele lembra, que só neste ano, o governo paulista exonerou 363 policiais envolvidos com crimes. Para o governador, o caso apontado pelo Ministério Público é um "caso isolado". "A polícia tem 125 mil homens e mulheres entre seus funcionários, infelizmente qualquer atividade pode apresentar um desvio", disse Alckmin.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.