Começa investigação de acidente de barcos no Rio

Para garantir a isenção nas investigações, o comandante da Capitania dos Portos do Rio, capitão Eduardo Bacelar Ferreira, informou que um oficial da capital assumirá o inquérito administrativo sobre o acidente que envolveu a lancha Pimba Pimbinha e uma bóia puxada por outra lancha, sábado, na Praia das Pitangueiras, na Ilha de Jaguanum, em Mangaratiba, litoral sul do Estado. O estudante Gabriel Borges Soares Silva, de16 anos, morreu e a professora Andréa Lisboa Salgado, de 33, teve as pernas amputadas.Ferreira explicou que a razão para a transferência do inquérito para o Rio é o envolvimento direto do delegado da Capitania dos Portos da área do acidente, Eduardo Swiech, no caso. Ele era o organizador do passeio de que Andrea participava. O comandante afirmou não haver indícios de irregularidades por parte de Swiech.Além do delegado da capitania, também está envolvido no acidente o cabo da Marinha Marcos Manoel Correa Cavalcanti. Ele estava na lancha Pimba Pimbinha, que era pilotada por Armelindo Corrêa de Miranda, foragido desde sábado. Miranda, indiciado sob acusação de homicídio culposo e lesão corporal culposa, falou por telefone com familiares e alegou que a causa do acidente foi uma falha mecânica. Ele também ligou para a polícia e garantiu que se apresentaria, o que não havia acontecido até o início da noite.A versão do piloto é reforçada pelo cabo, que prestou depoimento na 165.ª Delegacia Policial (Mangaratiba), e pela primeira perícia realizada pela Marinha na lancha, que constatou a existência de defeito em uma das alavancas que comanda a potência da embarcação. Hoje, a Pimba Pimbinha passará por nova perícia. Parentes das vítimas e Swiech ainda serão ouvidos pela polícia. O condutor do barco que puxava a bóia, Nelson Ricardo dos Santos, que havia sumido, já se apresentou e prestou depoimento.A professora foi transferida do Hospital Miguel Couto para o Hospital das Clínicas de Jacarepaguá, cuja direção informou que ela está ?lúcida e cooperativa?, apesar de ter perdido as duas pernas. ?Por enquanto, quero ver o responsável preso. Depois, que indenize o que ela tem direito?, afirmou o marido de Andréa, Orlando Costa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.