Começa julgamento de PM acusado de chacina na Praia Grande

Começou nesta segunda-feira o julgamento do ex-soldado da Polícia Militar Humberto da Conceição, um dos quatro policiais acusados de uma chacina ocorrida em 17 de fevereiro de 1999, em que morreram três jovens, conhecida como o "Caso da Cavalaria". Conceição já havia sido julgado anteriormente por um júri popular e foi condenado a 59 anos de prisão, mas o Tribunal de Justiça anulou o resultado e determinou a realização de outro.O novo julgamento começou por volta das 10 horas e a previsão era a de que terminasse durante a madrugada. Às 19 horas, já haviam sido ouvidas seis testemunhas de acusação e foram iniciados os debates. Na semana passada, outro ex-policial foi julgado pela participação no mesmo crime: Rubens de Assis, que havia sido condenado no primeiro julgamento a 52 anos de prisão, recebeu pena de 49 pelo novo júri.Assis informou no julgamento que Humberto da Conceição foi o autor dos disparos na nuca dos três jovens, que estavam deitados de bruços numa região de mangue de Praia Grande, e a ordem teria partido do então segundo-tenente Alessandro Rodrigues de Oliveira. Todos os quatro acusados foram condenados a penas superiores a 50 anos de prisão, mas obtiveram direito de um novo júri por decisão do Tribunal de Justiça.HistóricoO crime ocorreu logo depois do último baile de carnaval de 1999, já na quarta-feira de cinzas. Anderson Pereira dos Santos, 14 anos, Thiago de Passos Ferreira, 16 anos, e Paulo Roberto da Silva, 21 anos, foram abordados pelos policiais da Cavalaria Nove de Julho, que reforçavam o policiamento na temporada de verão, nas imediações do Ilha Porchat Clube, em São Vicente. Paulo chegou a ser agredido na rua e os três foram colocados no "chiqueirinho" da Blazer policial, que seguiu em sentido da Praia Grande.Ao chegarem nas proximidades do Litoral Plaza Shopping, em Praia Grande, os policiais entraram num mangue, levando os garotos, que foram executados com tiros na nuca. Seus corpos só foram localizados 17 dias depois e o crime chocou a Baixada Santista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.