Começam obras da Linha 4 do Metrô. Para 900 mil pessoas

A Linha 4 do Metrô de São Paulo, que ligará a Estação da Luz à Vila Sônia, na zona Oeste, começou a ser construída esta semana e, em aproximadamente três anos e meio, cerca de 900 mil pessoas das imediações da duas regiõesestarão sendo beneficiadas com o transporte mais eficiente e mais respeitado pelos paulistanos. A terraplenagem e o canteiro de obras começaram a ser executados nesta segunda-feira. As obras dos 12,8 quilômetros de extensão e de cinco estações previstas, numa primeira fase, e de outras cinco, numa segunda, vão consumir US$ 1,26 bilhão (cerca de R$ 4 bilhões), montante que inclui R$ 120 milhões em desapropriações de 220 imóveis que já começaram a ser pagas. "Até agora, já foram gastos R$ 51 milhões em desapropriações", disse o presidente do Companhia Metropolitana de São Paulo, Luiz Carlos Davi, que se reuniu esta semana com uma missão italiana ligada aossetores de transporte e infra-estrutura. Segundo Davi, a nova linha será a primeira a atender usuários fora do município de São Paulo. Com a construção de mais 4 quilômetros que já estão projetados, a Linha 4 (amarela) irá a atender a população de Taboão da Serra. Mas o Metrô precisa de US$ 500 milhões da iniciativa privada para a aquisição de todo o material rolante (11 trens) e para que a obra da nova linha, com as dez estações, seja totalmente concluída. Até gora, os recursos garantidos somam pouco mais de US$ 1,0 bilhão, dos quais US$ 209 milhões serão financiados pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e outra cifra idêntica pelo JBIC-Japan International for Cooperation. Em troca, a Linha 4, que interligará todas as outras linhas do Metrô a o trem da CPTM (Pinheiros), poderá ser explorada pela iniciativa privada por um período 20 anos. Por isso, disse Davi, " vai se chamar Linha da Integração".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.