Começam obras na Avenida Paulista

Para a reforma das calçadas, trecho da faixa da direita fica interditado; obras devem durar 9 meses

Bruna Fasano, O Estadao de S.Paulo

22 Julho 2007 | 00h00

Amanhã, ao meio-dia, começam as obras na Avenida Paulista, com alterações no trânsito. A primeira faixa a ser interditada será a da direita, entre a Praça Oswaldo Cruz e a Rua Teixeira da Silva. Só nesse trecho circulam diariamente 4 mil veículos no horário de pico. A principal recomendação da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) é que o motorista opte por ruas paralelas e alternativas, evitando, quando possível, a avenida. As melhores vias para quem trafega pela região são as ruas Cincinato Braga e São Carlos do Pinhal (sentido Consolação) e a Alameda Santos (sentido Paraíso). "O trabalho será feito de forma linear, um quarteirão após o outro", diz o secretário municipal de Transportes, Frederico Bussinger. Os lados da avenida interditados deverão ser intercalados. Os pedestres também sentirão os efeitos da reforma. Com a interdição das calçadas, o passeio será deslocado para a rua. O espaço será isolado para circulação com tapumes. As calçadas, faixas de pedestres e semáforos também serão alterados. A principal preocupação, segundo a Secretaria das Subprefeituras e o subprefeito da Sé, Andrea Matarazzo, é o conforto de pedestres e cadeirantes. "A Paulista será um exemplo de acessibilidade." As faixas de travessia de pedestres serão recuadas cerca de 30 metros e reposicionadas próximas aos cruzamentos. A espera para cruzar a via, atualmente de 2 minutos e meio, deve ser reduzida em 50%. O calçamento será substituído. O mosaico português, que reveste as calçadas desde 1973, será trocado por placas de concreto moldadas no local, na cor cinza-escuro. Os blocos, separados por frisos em latão dourado, facilitam a manutenção de pontos como água, luz, energia e gás, localizados abaixo do solo. O mesmo modelo de concreto já foi utilizado em frente do Shopping Center 3. As novas calçadas também terão rampas mais largas para facilitar a locomoção de cadeirantes. O projeto prevê o rebaixamento dos canteiros de flores. As obras devem durar cerca de nove meses e são prometidas desde 2002. Mas só em junho foi assinado o contrato de concessão com a empresa Engeform. Após inúmeros entraves burocráticos a empresa foi a única a atender aos critérios da Comissão de Licitação. O valor total da obra é de R$ 8,2 milhões. Eventos na Paulista, como a Festa de Fim de Ano e a Corrida de São Silvestre, estão mantidas no cronograma.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.