Comerciante é suspeito de crimes em Minas

Uma discussão entre sócios de uma rede de lojas no Sul de Minas Gerais pode ser o principal motivo dos seis homicídios com requintes de crueldade e um suicídio em menos de 24 horas nas cidades de São Gonçalo do Sapucaí e Cordislândia.De acordo com a Polícia Militar, o suspeito de ser o autor dos crimes, o comerciante José Flávio da Luz, de 52 anos, teria assassinado seis pessoas, incluindo a mulher e o filho de três anos, o sócio, e se suicidado em seguida.A polícia informou que José Flávio da Luz , dono de uma cadeia de lojas de produtos de R$ 1,99 e roupas, nas cidades de Juiz de Fora, Varginha, Monsenhor Paulo e São Gonçalo, teria se desentendido com o sócio depois que uma das lojas, localizada em Varginha, pegou fogo.O estabelecimento não tinha seguro e causou prejuízos aos comerciantes, gerando os desentendimentos entre eles. Na madrugada deste sábado, a polícia encontrou as duas primeiras vítimas do comerciante carbonizadas dentro de um Gol, azul, placa HMS-0019, de Juiz de Fora, que ainda estava pegando fogo, no bairro Ressaca, na saída da cidade de São Gonçalo do Sapucaí.Outra vítima foi encontrada próxima ao veículo, em uma mata, fora da estrada, com um tiro na cabeça. Cerca de 30 quilômetros dali, na cidade de Cordislândia, o suspeito teria matado o próprio filho, de 3 anos, e a esposa, Maria José de Souza, de 45 anos. Segundo a polícia, ambos receberam golpes de marreta na cabeça.No início da manhã, ao deixar sua casa, o comerciante, acompanhado do sócio Vanderlei de Souza Lopes, parou seu veículo Gol, de cor branca, placa GVM-7177, também de Juiz de Fora, na estrada de 17 quilômetros que liga o município de Elói Mendes a Cordislândia. Conforme a polícia, José Flávio da Luz teria retirado Vanderlei para fora do carro e disparado um tiro em sua cabeça, cometendo suicídio em seguida.A arma provavelmente usada nos crimes foi encontrada no local, junto ao corpo do comerciante. Dos sete corpos, apenas quatro foram identificados até agora. Informações da polícia dão conta que os outros três corpos podem ser de pessoas que trabalhavam com o comerciante.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.