Comerciante tinha 31 kg de cocaína no carro

A Polícia Rodoviária apreendeu neste domingo à noite 31,330 kg de pasta de cocaína, avaliados em R$ 240 mil, na rodovia Marechal Rondon, em Araçatuba.A droga, distribuída em 30 pacotes, estava escondida nas portas e no bagageiro de um Gol vermelho, placa de São Paulo CLS-8909. O carro era dirigido pelo comerciante Márcio Renan Silva, 29 anos, morador na Vila Formosa, em São Paulo, que foi autuado em flagrante por tráfico de entorpecente e permanece preso em Araçatuba. A apreensão da cocaína ocorreu na frente da base da Polícia Rodoviária, por volta de 19h.Segundo o cabo Creso Carlos, ao ser parado para mostrar seus documentos pessoais e os do veículo, o comerciante começou a tremer intensamente, o que levou os patrulheiros a suspeitarem dele.Os policiais passaram então a fazer uma revista minuciosa no Gol, encontrando os pacotes de cocaína escondidos entre a lataria e o forro das portas e do bagageiro. Ainda de acordo com o cabo da Polícia Rodoviária, o comerciante, que viajava sozinho, disse que havia comprado a cocaína em Corumbá (MS), próximo da divisa com a Bolívia.Ele iria "batizar" a droga, ou seja, misturá-la com outros produtos para aumentar a quantidade, e revendê-la em São Paulo.Ele não revelou o nome do fornecedor. Silva disse que era a quinta vez que estava trazendo cocaína de Corumbá, sempre por rodovia, sendo que nas viagens anteriores não foi parado nas barreiras de fiscalização. O comerciante não quis responder a interrogatório no auto de prisão em flagrante, invocando o direito de só falar diante de um juiz. Mas, informalmente, ele comentou com os patrulheiros rodoviários que pagou US$ 2 mil (R$ 2,4 mil) por quilo de pasta de cocaína.Como o tráfico de entorpecente é considerado crime hediondo, Silva não pôde pagar fiança para responder ao inquérito em liberdade.Seu carro foi apreendido porque, além de ter sido usado no tráfico, estava com o licenciamento irregular.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.