DANIEL TEIXEIRA / ESTADÃO
DANIEL TEIXEIRA / ESTADÃO

Comissão da Câmara sugere criação de força-tarefa para investigar massacre

Segundo deputado, será pedido que o Conselho Nacional de Justiça e o Conselho Nacional de Direitos Humanos façam diligências em todas as unidades de Manaus

Daiene Cardoso, O Estado de S. Paulo

03 de janeiro de 2017 | 19h09

BRASÍLIA - O presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, deputado Padre João (PT-MG), sugeriu nesta terça-feira, 3, a criação de uma força-tarefa composta pelo Ministério Público do Amazonas e a Procuradoria Geral da República para investigar o massacre de presos no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), que deixou 56 mortos entre a tarde do domingo, 1º, e a madrugada da segunda-feira, 2.

Em nota publicada nesta tarde, o deputado disse que a comissão vai pedir que o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e o Conselho Nacional de Direitos Humanos (CNDH) façam diligências em todas as unidades do sistema penitenciário de Manaus. O presidente da comissão também vai solicitar ao Tribunal de Justiça do Amazonas e à Defensoria Pública do Estado que promovam um mutirão para verificar a situação processual dos presos nas unidades penitenciárias.

Padre João sugeriu que a interdição do local para recebimento de presos da Cadeia Pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoal seja mantida, e que a área seja transformada em equipamento cultural. Os parlamentares estão em recesso até o começo de fevereiro.

No retorno das férias, o deputado vai propor a realização de audiência pública com representantes do Ministério da Justiça, do governo amazonense, da Pastoral Carcerária e do Ministério Público sobre as causas do massacre, considerado o segundo maior da história brasileira, ficando atrás apenas dos 111 mortos do Carandiru, em 1992. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.