Como é a avaliação

São quatro jurados para cada um dos dez quesitos em julgamento. As notas vão de 7 a 10. Qualquer nota abaixo de 10 tem de ser justificada. Os jurados só dão notas definitivas no fim do segundo dia de desfile. O que está em análise: Bateria: Os ritmistas têm de manter a cadência da bateria em consonância com o samba-enredo, além de mostrar o entrosamento de todos os instrumentos Samba-enredo: A letra tem de se adequar ao enredo e à melodia. Também é levada em conta a riqueza poética dos versos Enredo: As fantasias e as alegorias devem retratar o tema que foi proposto pelo carnavalesco Harmonia: Ritmo e canto precisam estar entrosados. Os componentes têm de cantar o samba no mesmo ritmo do puxador Evolução: É a progressão da dança de acordo com o ritmo do samba e com a cadência da bateria. Não pode haver correrias nem abertura de buracos entre as alas e os carros alegóricos. Só são admitidos os claros para a exibição de mestres-salas e porta-bandeiras, comissões de frente e a retirada de baterias de seus recuos Conjunto: É o "todo" do desfile: o jurado leva em conta a uniformidade musical, dramática e visual Alegorias e adereços: As alegorias são os elementos cenográficos sobre rodas; os adereços são os que não estão sobre rodas Fantasias: Têm de transmitir o enredo e serem criativas. Estão fora deste quesito as roupas dos destaques das alegorias, do mestre-sala e porta-bandeira e da comissão de frente Comissão de frente: Tem de saudar o público e apresentar a escola com coordenação, sintonia e criatividade. A queda de qualquer peça do vestuário, como um chapéu, faz a escola perder ponto Mestre-sala e porta-bandeira: O casal não samba, executa um bailado. O mestre-sala precisa cortejar a porta-bandeira, que tem de proteger o pavilhão da escola sem deixar que ele enrole ou caia

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.