Como é caro receber presente no Brasil!

Arquiteto aposentado depois de anos de trabalho no Canadá, João Manuel dos Santos Amaro não vai ganhar presente dos filhos que deixou naquele país, neste Natal. Sua nova mulher e razão da sua escolha pelo Brasil, Helena Lúcia de Almeida Magalhães, conta que ele ligou durante a semana toda para a família canadense pedindo para que ninguém mais mande lembrança alguma para Curitiba, onde mora. A última custou aos bolsos do casal R$ 244,95 na hora da entrega, pela DHL. Só de imposto de importação, foram R$ 125,27. Era uma barraca de camping, pela qual a irmã pagou US$ 55,00.A família canadense está perplexa e o arquiteto, que recebe US$ 1.300 por mês do governo daquele país, se diz chocado com a situação. Luiz Monteiro, auditor da Receita Federal, explica, no entanto, que as taxas pagas pelo recebimento de mercadoria são previstas pela legislação brasileira. ?Já foi muito pior?, acrescenta. ?Essa tributação é calculada por um sistema simplificado. Antes, as pessoas tinham de vencer um trâmite bem mais complicado para receber qualquer coisa vinda de fora do País.? Monteiro observa que é indiferente para a Receita se a entrega é presente ou se é encomenda. A verdade é que, como as taxas de tributação são calculadas a partir do valor em dólar da mercadoria, neste Natal os presentes vindos de fora do País estão custando mais caro para quem recebe. Amaro calcula ter gastado R$ 1.200 em presentes que mandou para o Canadá. Mas lá ninguém terá de economizar na ceia por causa disso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.