Ernesto Rodrigues/Estadão
Ernesto Rodrigues/Estadão

Como evitar que a preocupação paute a sua vida

Ajuda profissional pode ser necessária para diagnosticar problemas e mudar hábitos prejudiciais

Raul Galhardi, Especial para O Estado, O Estado de S.Paulo

05 de junho de 2019 | 06h00

A sociedade contemporânea é uma fonte permanente de ansiedades. Desemprego, trabalho precarizado, relacionamentos superficiais, criminalidade urbana, catástrofes climáticas, hiperatividade e hipertransparência estimuladas pelas redes sociais e pelo trabalho. O indivíduo é bombardeado constantemente por estímulos nesse panorama daquilo que o filósofo Zygmunt Bauman chamou de “modernidade líquida”. Um mundo em constante e veloz transformação como nunca se viu antes. 

Uma civilização na qual é preciso estar em constante movimento, como se as pessoas estivessem em cima de uma camada de gelo fino. Sem tempo para pensar, mas apenas para produzir. É o que o filósofo coreano Byung-Chul Han, no seu livro “Sociedade do Cansaço”, chama de “sociedade do desempenho”. Um grupo narcísico, sem tantos laços comunitários, voltado apenas para a produção constante sem reflexão, em que empreendedorismo é a palavra da vez e a gratificação é constantemente adiada, causando um esgotamento do sujeito. 

Diante desse cenário angustiante, como os indivíduos podem lidar com tamanha pressão em suas vidas? “Ansiedade é preocupação, preparação para o futuro. É antecipar o que vai acontecer. Quando ela começa a mandar em você, ou seja, quando os sintomas começam a interferir de forma a prejudicar a vida cotidiana (acadêmica, profissional, pessoal, etc), é a hora de procurar ajuda”, diz o psiquiatra do Hospital das Clínicas Daniel Martins de Barros

“O bom ansioso gosta de colocar tudo numa planilha e tentar controlar o futuro. Quando ele percebe que não é capaz de fazer esse exercício de Deus, ele começa a sucumbir e é geralmente aí que ele procura ajuda”, afirma Neury Botega, psiquiatra da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). 

Segundo ele, existem duas atitudes básicas para o médico: o diagnóstico preciso e o manejo do tratamento. Às vezes, embora o diagnóstico esteja correto, é necessário ainda convencer o paciente. E se ele não aceitar um tratamento ou remédio? “É comum a resistência, ou acharem que, por terem de aumentar a dose, estão mal de saúde. Essa impressão na psiquiatria é muito impactante”. Ele conta que no caso de outros problemas clínicos, como diabetes, é diferente, pois a pessoa não irá deixar de tomar seus remédios em situações assim.

Como falar de ansiedade com um ansioso, então? Primeiro, ouvir bastante e ficar em silêncio. “Senão a gente pode entrar numa espécie de debate intelectual para ver quem consegue debelar o transtorno. Isso é algo que acontece muito na clínica. O caminho não é travar debates, mas acolher, ouvir, para não passarmos a impressão de que vamos resolver o problema com uma prescrição”, afirma Botega. A mensagem que deve ser enviada é a de construção de um ambiente menos ansioso. “Muitas vezes o paciente também deixa o psiquiatra nervoso. A ansiedade, como uma emoção, é contagiante”, diz. 

O tripé

Para o profissional da Unicamp, o tratamento está baseado num tripé. A primeira coluna é o medicamento. A segunda é a psicoterapia e a terceira, a mudança de hábitos. 

A psicoterapia é importante para mudar hábitos muito arraigados e para esclarecer os significados das ações do paciente, porque muitas vezes o que a pessoa mais precisa enxergar ela não está vendo. 

O psiquiatra do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas Luiz Vicente Figueira de Mello defende que a psicoterapia cognitiva comportamental é a mais adequada para a ansiedade. Segundo ele, é feita uma análise funcional durante o tratamento para ver como o indivíduo reage em relação ao estresse, sendo importante que a pessoa tenha a consciência de como seus atos interferem no seu cotidiano e do custo-benefício deles. 

Também é necessário o cultivo de hábitos que acalmem. Ioga, meditação, respiração diafragmática, atenção plena concentrada em algo durante um tempo, mesmo que pouco, são alguns exemplos de práticas a serem adotadas. “Nós precisamos aprender a criar essas ‘ilhas zen’, que podem durar dois, três minutos. Sem mudança de hábito é ilusão achar que só o medicamento vai resolver”, diz Botega. 

Outros fatores que influenciam no distúrbio são o meio no qual o indivíduo vive e sua predisposição genética. Ambientes rurais, por exemplo, tendem a serem menos favoráveis à manifestação de doenças ansiosas, assim como pessoas predispostas geneticamente costumam apresentar mais sintomas do que o restante da população. Por fim, Botega deixa o recado: “Não tem como fugir. Pulou da frigideira, cai na fogueira. Basta estar vivo. Nós não nascemos para nos tornarmos Dalai Lamas”. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.