Como foi o sequestro da filha do diretor de presídio

Foi um seqüestro ousado. Quatro criminosos (dois homens e duas mulheres) entraram no consultório da médica ginecologista Eulália Rodrigues Pedrosa de Almeida, de 44 anos, com o pretexto de que iriam marcar uma consulta. O portão elétrico foi aberto. Enquanto preenchia a ficha de cadastro, um dos homens mostrou um revólver à secretária e anunciou o assalto. Eles dominaram a funcionária e outras oito pessoas, que estavam na sala de espera, e entraram na sala de Eulália, que no momento atendia uma paciente. O seqüestro de Eulália, filha do diretor da Casa de Custódia de Taubaté, José Ismael Pedrosa, aconteceu às 14h30 de terça-feira. A médica chegou a ver uma mulher abrir a porta e, ao perceber que um homem vinha atrás, tentou impedir a invasão. O casal forçou a entrada e o homem perguntou se ela era filha de José Ismael Pedrosa. Eulália negou, mas acompanhou os seqüestradores porque eles disseram estar com seus dois filhos - Carolina, de 12 anos, e Lucas, de 15. A informação dos criminosos era falsa. Carolina e Lucas estavam em casa. Pacientes roubadosA secretária e os oito pacientes foram levados para dentro do consultório, amarrados com fita adesiva silver tape e ameaçados de morte caso tentassem reagir. Os seqüestadores levaram jóias, cartões de crédito e dinheiro de todos. Sem reagir, Eulália e os dois casais saíram da clínica e entraram em um Golf dourado sem que ninguém na rua percebesse. A ação durou cerca de dez minutos. O consultório da filha do diretor da Casa de Custódia fica na Rua Coronel Augusto Monteiro, centro de Taubaté. A rua, localizada nas proximidades do Terminal Rodoviário, é pequena, arborizada e movimentada. Os vizinhos descrevem Eulália como uma mulher reservada, que chega e sai do trabalho de maneira discreta. "Só agora é que eu soube quem ela é", disse a moradora da casa em frente à clínica." Os funcionários da loja Aderbal Veículos contam que já tiveram atritos com a ginecologista. Ao construir o galpão da empresa, os pedreiros acidentalmente derrubaram o muro do consultório. Eulália, segundo um deles, reagiu de forma agressiva. A clínica abriga outros dois médicos: Paulo Sérgio Almeida Braz e Elenice Valente Braz. Na entrada há uma pequena sala, com um bebedouro e um balcão de madeira com telefone e computador - foi ali que o seqüestro foi anunciado. À esquerda, a sala de Paulo Braz. A sala de espera, espaçosa, com pintura clara, sofás verde-escuro e revistas antigas, ocupa a maior parte do local. A sala de Eulália fica ao fundo e o banheiro, à esquerda. No momento do seqüestro, a médica estava acompanhada apenas da secretária e de clientes. Tranca elétricaAlertada pelo pai, que pediu a seus cinco filhos que tomassem cuidado com a segurança, recentemente a médica havia colocado uma tranca elétrica no portão. Um pequeno pátio dá acesso à porta. Pedrosa foi afastado temporariamente do cargo assim que aconteceu o seqüestro. Em seu lugar assumiu o diretor de disciplina, José Coradi. Na Casa de Custódia, há presos de altíssima periculosidade, como os líderes do PCC (Primeiro Comando da Capital) Idemir Carlos Ambrósio, o Sombra; Edmir Armando Alfenas, o Feirante; e Jonas Mateus. Também está presa em Taubaté a traficante Sônia Aparecida Rossi, a Maria do Pó. Policiais militares que faziam a guarda na noite de terça-feira informaram que o secretário de Assuntos Penitenciários, Nagashi Furukawa, passou várias horas na Casa de Custódia, em reunião com o ex-diretor. De acordo com os mesmos policiais, o clima na penitenciária, entre os presos, era de alegria pelo seqüestro. "Eles souberam rapidinho, sem que ninguém precisasse contar", disse um deles. "Fizeram a maior festa.". Para evitar possíveis incidentes, a PM reforçou o policiamento no local.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.