Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Comoção no enterro dos estudantes em Erechim

O enterro de 16 adolescentes mortos num acidente com um ônibus escolar levou cerca de 3,5 mil pessoas ao interior de Erechim, nesta quinta-feira. Quatro corpos foram sepultados no cemitério da localidade de Quilômetro 7 Corsan, ao final da manhã, e outros 12 no cemitério do Quilômetro 10 Argenta, no início da tarde.O corpo da 17ª vítima foi enterrado em Porto Alegre. Durante o velório, as missas e o sepultamento, em meio a cenas de dor, revolta e desespero, diversos familiares e amigos dos estudantes passaram mal e tiveram de ser atendidas por enfermeiros que a prefeitura deixou de plantão nos dois locais.Mesmo sem qualquer grau de parentesco ou amizade, muitas pessoas de cidades da região viajaram ao interior de Erechim para prestar solidariedade às famílias. Diversas lojas colocaram tarjas pretas nas vitrines e o tradicional burburinho do centro foi substituído por um espontâneo silêncio reverencial.PeríciaO motorista e dois sobreviventes que estavam internados foram liberados durante o dia pelos hospitais de Caridade e Santa Terezinha.Juliano dos Santos foi direto à delegacia prestar depoimento. Ele disse que o acidente foi causado por uma falha mecânica. Relatou ter ouvido um estouro, possivelmente da suspensão, e perdido o controle do ônibus. Ao sair, chorando, não quis falar com os repórteres, ainda chocado com a dimensão da tragédia. Segundo o delegado Vanderli Antunes Leandro, o motorista admitiu que trafegava a uma velocidade 40 a 60 quilômetros por hora, incompatível com as condições da estrada estreita e perigosa, com água profunda nas duas margens.Um dos estudantes sobreviventes contou que os passageiros pediam para Santos correr menos. "Ele dizia que sabia o que estava fazendo", recordou.Os dois peritos enviados a Erechim pela Secretaria de Segurança colheram todos os dados das condições da estrada e do ônibus durante o dia. À noite, voltaram para Porto Alegre prometendo divulgar o laudo com as causas do acidente em 15 dias. O delegado Leandro vai começar a tomar depoimentos de testemunhas e sobreviventes nesta sexta-feira.

Agencia Estado,

23 de setembro de 2004 | 19h09

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.