Companhia amplia horário de pico de trens em São Paulo

As centenas de quilômetros de trilhos na região metropolitana não escapam da necessidade de mais minutos, no horário de pico. Segundo o gerente de operações do Metrô, Mário Fioratti, a demanda pelo serviço aumentou 12% em 2006, motivada principalmente pela integração do Bilhete Único e início das atividades de duas novas estações na Linha 2 - Verde. A empresa expandiu a definição de horário de pico da manhã - das 6h30 às 8 horas -, para o período entre 6 e 9 horas. À tarde, o rush no Metrô também ultrapassou o limite entre 17h30 e 18h30, indo das 17 até às 19h30. Mas Fioratti explica que, "no vale (período entre os horários de pico), diminui muito a entrada de passageiros". Apesar de menor, a procura pelo Metrô é grande em horários entre 10 e 13 horas, com cerca de 240 mil passageiros, ou 13,8% do total de usuários. O Metrô estuda a possibilidade de investir em novas tecnologias para reduzir o intervalo mínimo entre trens, hoje de 1 minuto e 40 segundos. A mudança evitaria a lotação dos carros, cuja capacidade máxima é de 6 usuários por metro quadrado, chegando a 8 na Linha 3 - Vermelha. Situação semelhante é encontrada nos trens da CPTM. Apesar de o pico continuar sendo entre 17h30 e 18h30, com o deslocamento de 107 mil passageiros, o crescimento da movimentação começa horas antes, partir das 14 horas. Eduardo Rombolli, gerente de Gestão de Qualidade da CPTM, afirma que a empresa trabalha para se adequar ao deslocamento dos usuários. ?É esperado, já que a cidade está ficando cada vez mais entupida?, diz. O assistente técnico da gerência João Carlos de Campos Leme acrescenta que a demanda pelo serviço cresce constantemente há vários anos, e também cita o bilhete único como o mais recente motivador. ?O aumento é generalizado para as seis linhas.? Mesmo com lotação máxima, ambos citam a importância dos trilhos da CPTM, que transportam 1,5 milhão de paulistanos todos os dias. ?É o meio que vai mais longe. Colabora para não entupir o trânsito e melhorar o ar.? O governo estadual anunciou em março que vai investir R$ 1,2 bilhão até 2010 na Linha F de trem, considerada a mais defasada . ?Queremos fazer do trem um metrô de superfície; São Paulo devia ter 300 km de metrô, isso seria o ideal?, disse o governador José Serra. Menos espera por trens: As novas composições devem reduzir o intervalo entre os trens nos horários de pico. Das 6 às 9 horas e das 17 às 19h30 é a nova hora do rush no Metrô de São Paulo. » 6 usuários por metro quadrado é a capacidade máxima do Metrô e da CPTM; » 500 mil pessoas usam o Metrô entre 10 e 13 horas e 14 e 17 horas; » 805 mil é o número de usuários que entram no Metrô entre 6 e 9 horas e 17 e 19h30; » A partir das 14 horas é quando as estações da CPTM lotam para o horário de pico da tarde; » 89% dos passageiros da CPTM gastam pelo menos uma hora até o destino final; » 21,1 km é a distância média do passageiro da CPTM; » 8 usuários por metro quadrado é o pico de superlotação nos trens.

Agencia Estado,

17 Abril 2007 | 08h22

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.