Companhias aéreas apresentam reivindicações a Jobim

Aéreas defendem, entre outras coisas, a manutenção de 44 - e não 33 - slots em Congonhas

Tânia Monteiro, do Estadão,

13 de agosto de 2007 | 19h21

Representantes do Sindicato Nacional das Empresas Aéreas (Snea) apresentaram nesta segunda-feira, 13, ao ministro da Defesa, Nelson Jobim, uma pauta com cinco reivindicações que já tinham sido encaminhadas à Agência Nacional da Aviação Civil (Anac). As companhias defendem a manutenção de 44 slots - quantidade de intervalos de pouso e decolagem - em Congonhas e não os 33 como foi estabelecido na reunião Conselho de Aviação Civil (Conac).   Veja também:  Anac abrirá consulta sobre espaço entre poltronas nos aviões  Jobim terá reunião com parentes de vítimas do vôo 3054    O segundo pedido é a definição de um tempo mínimo de uma hora para conexão em Congonhas para os passageiros. As empresas também querem mudar a regra de que a partir de Congonhas só poderão ser realizados vôos duas horas distante de são Paulo. As companhias querem que isso seja trocado para 1.500 quilômetros.   O quarto pedido é de que haja proporcionalidade de transferência dos slots de Congonhas para Guarulhos enquanto a pista principal de Congonhas estiver em reparos com a instalação de grooving, que são as ranhuras a serem feitas na pista que ajudam no escoamento da água.   O último pedido é de que, no caso do aeroporto de Guarulhos, seja descavado o slot do trecho voado. Com isso, a companhia poderia usar o horário de vôo para colocar o avião para seguir para qualquer lugar - do País ou do mundo. Isto significa que a companhia, a partir de Guarulhos, poderia escolher o local do destino no horário do vôo e ir para qualquer lugar.   Uma das regras do Conac proíbe novas concessões de vôos para o exterior a partir de Guarulhos. Se a proposta das empresas for aprovada, a companhia poderá cancelar um vôo previsto para dentro do País e substituir outro para o exterior. O ministro Nelson Jobim pediu às empresas argumentos jurídicos e técnicos sobre a proposta.

Tudo o que sabemos sobre:
Crise aéreaNelson JobimCongonhas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.