Companhias aéreas operam normalmente com vôos do Brasil para América do Sul

As companhias aéreas que operam no Brasil com destino para os países vizinhos como Uruguai, Argentina e Chile não registram mais problemas por causa da emissão das cinzas do vulcão chileno Puyehue na tarde deste sábado, 25.

Carolina Spillari,

25 de junho de 2011 | 15h49

 

A Gol informou que a densidade das nuvens do vulcão é muito baixa e que não está afetando os voos da companhia. A TAM relatou que teve apenas dois cancelamentos devido as cinzas do vulcão. A companhia acrescentou que está reacomodando os passageiros para os próximos voos, sem cobrança pela taxa de remarcação e diferença de tarifas.

 

A LAN que havia cancelado os voos para Buenos Aires, informou que já restabeleceu as operações para o aeroporto Ezeiza. Os cancelamentos haviam se dado pela volta das cinzas do vulcão Puyehue ao espaço aéreo argentino. Voos adicionais são oferecidos pela companhia aos passageiros que perderam voos na sexta-feira, 24. Os voos para Austrália e Chile continuam sendo afetados.

 

A normalização dos voos, segundo comunicado deste sábado da Aerolíneas Argentinas, começou a partir das 14h. Para os destinos de Calafate, Ushuaia, Rio Gallegos e Rio Grande, no Chile, as operações retornam na manhã do domingo, 26.

 

Em seu último comunicado, a companhia disse que reprogramou os voos que deveriam sair ontem a noite para Madri, Roma e Barcelona, com saída do aeroporto de Ezeiza, em Buenos Aires, para a tarde deste sábado.

 

A Avianca não falou sobre alterações em seus voos. Até as 14h24 deste sábado, a Anac argentina não havia informado sobre novas mudanças no espaço aéreo.

 

Do total dos 1263 voos programados, entre domésticos e internacionais, até a 1h deste sábado, 25, 146 foram cancelados. Os atrasos chegaram a 48. O aeroporto mais prejudicado foi o de Santos Dumont, no Rio de Janeiro, com 21 atrasos e três cancelamentos somente nos voos domésticos.

Tudo o que sabemos sobre:
vulcão, cinzas, vôos cancelados

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.