Comunidade zombava de vítimas

Página com fotos do acidente da TAM foi criada por 2 adolescentes

Rodrigo Pereira, O Estadao de S.Paulo

08 de novembro de 2008 | 00h00

A Polícia Civil identificou ontem dois adolescentes que criaram no Orkut a comunidade "Churrasco da TAM", em referência à maior tragédia da aviação civil brasileira, que deixou 199 mortos em julho de 2007. A página tinha fotos das vítimas no local do acidente e textos agressivos e debochados. Mesmo com a comunidade retirada do site, a polícia manteve a investigação e se surpreendeu quando chegou aos autores, um adolescente de 17 anos e outro de 13 anos. "Disseram que foi uma brincadeira, tiveram a idéia depois que viram uma página reverenciando as vítimas", contou o delegado Wilson Roberto Zampieri, titular da Delegacia de Meios Eletrônicos, que encaminhou o caso para a Vara da Infância e Juventude. "Como são menores, não cometem crime, mas ato infracional, e podem sofrer uma advertência do juiz ou até internação na Fundação Casa." O delegado disse que tem outros três casos idênticos prestes a serem concluídos. Segundo ele, "a família tem de impor limites, controlar o tempo e o que é feito no computador, incentivar a prática de esportes." Zampieri também disse que a polícia demorou a chegar aos adolescentes pela burocracia do judiciário e principalmente por dificuldades impostas pelo Google Brasil, controlador do Orkut. "Se colaborassem, em 3 meses isso estaria concluído. O Google atravanca muito nosso trabalho, só atende com ordem judicial", disse, relembrando que até para tirar a comunidade do ar precisou oficiar uma representação à empresa, que a manteve por 15 dias.O diretor de comunicação do Google, Félix Ximenes, disse que é prática da empresa retirar comentários que violam os termos de uso do Orkut. "Mas quando há apreciação judicial, é preciso que o juiz faça a avaliação e determine o que quer que seja retirado e mantido", disse. "Nossa cautela, excesso de zelo, é não cair no autoritarismo", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.