Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Conac se reúne e aprova medidas contra caos aéreo nas férias

Greve dos aeronautas é evitada com o reajuste de 5% dado pelo Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias

Luciana Nunes Leal, de O Estado de S. Paulo,

20 de dezembro de 2007 | 16h26

O Conselho Nacional de Aviação Civil (Conac) deu início, por volta das 16 horas desta quinta-feira, 20, à reunião que vai aprovar e formalizar medidas que estarão em vigor a partir de sexta-feira, 21, destinadas a evitar caos nos aeroportos durante a alta temporada. Entre as medidas, está o aumento de 1.000 para 1.500 km da distância máxima dos vôos que partem do Aeroporto de Congonhas, na zona sul da capital paulista.   Lula admite que haverá problemas para quem for viajar de aviãoJuizados terão horário diferencial para auxiliar passageiros  A reunião acontece em Brasília e é presidida pelo ministro da Defesa, Nelson Jobim. Os ministros Paulo Bernardo (Planejamento, Orçamento e Gestão) e Marta Suplicy (Turismo), também já estavam no local para participar do encontro. Nesta quinta, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva admitiu que os passageiros devem enfrentar atrasos nos aeroportos do País. Mas tentou tranqüilizar os passageiros, afirmando que não se repetirá o caos aéreo verificado em ocasiões anteriores. "Vai ter problema, sim (neste final de ano), mas não como antes. Vai ter o problema numa dimensão menor", previu.  Solange Paiva Vieira, diretora-presidente da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), chegou a afirmar que, durante o período de alta temporada, o número de fiscais da agência seria ampliado em pelo menos três aeroportos - o de Congonhas (mais 40 funcionários), o de Guarulhos (mais 40) e o de Brasília (mais 20). Segundo a diretora, os funcionários fiscalizariam o atendimento aos passageiros e a manutenção e o funcionamento das aeronaves. Acordo Tido como um dos riscos para o caos durante a alta temporada, a greve dos aeroportuários não deve acontecer, já que o Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (Snea), que congrega 16 empresas nacionais e 20 estrangeiras, fechou acordo com a categoria. Nesta quinta, o Snea informou concedendo reajuste salarial de 5% a título de dissídio salarial. Em nota, a entidade afirma ainda que além dos salários, as empresas também reajustaram as cláusulas de cunho econômico, como vale-refeição, cesta básica, diárias e seguro de vida. Os acordos beneficiam cerca de 9,5 mil aeronautas e 23 mil aeroviários filiados a sindicatos vinculados à CUT e à Força Sindical. Os aumentos são retroativos a 1º de dezembro, data base das categorias. As Convenções Coletivas têm vigência de um ano (de 01/12/2007 a 30/11/2008). (Com informações da Agência Estado.)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.