Reprodução
Reprodução

Conar vai avaliar anúncio que prega ‘direção selvagem’

Peça publicitária da Jeep motivou reclamação de ONG ao órgão regulatório; montadora afirma que incentiva direção responsável

Caio do Valle - Jornal da Tarde,

05 Outubro 2012 | 22h54

SÃO PAULO - O Conselho de Autorregulamentação Publicitária (Conar) abriu um processo ético para avaliar um anúncio da Jeep veiculado em algumas publicações do País, entre elas algumas em São Paulo, que supostamente incentiva a "incivilidade" no trânsito. A propaganda mostra dois veículos da marca estacionados sob as frases: "A cidade é uma selva. Seja um predador."

A medida foi estimulada por uma reclamação do empresário e coordenador da ONG Rede Nossa São Paulo, Oded Grajew. Para embasar seu questionamento, argumenta que "o trânsito mata 50 mil pessoas por ano no Brasil e deixa outras 120 mil com sequelas".

Em nota, o Chrysler Group do Brasil informou que "incentiva a direção segura e responsável em todos os momentos". Sobre o processo no Conar, a empresa disse que não pode se pronunciar, pois ainda não foi oficialmente intimada.

Nos próximos dias, o Conar decidirá se concede uma liminar para fazer com que o anúncio deixe de ser publicado. Se isso acontecer, a propaganda precisa ser retirada de uso imediatamente. Em caso negativo, ela pode continuar a ser veiculada até a data do julgamento do processo, previsto para o mês que vem. Nessa reunião, o plenário do Conselho de Ética da entidade, composto, no total, por 180 membros, decidirá se arquiva a representação ou se aplica uma "pena" para o anunciante.

As punições podem ser duas: interromper a divulgação do anúncio ou solicitar que ele seja alterado, removendo só a parte julgada "antiética". No caso específico, o mais provável é que essa seja a opção escolhida, já que só as frases teriam sugestão de agressividade.

O Conar é uma ONG e não tem autoridade para vetar nenhuma propaganda. Contudo, quando a entidade pede a alteração ou a remoção de um anúncio sempre é respeitada.

Responsabilidade. A entidade abriu o processo contra uma das revendedoras da Jeep situada em São Paulo e não contra a Chrysler, responsável pela marca. Isso porque a ação sempre é contra quem publicou o anúncio. Mas a concessionária, a Divena, se defende. "Quem faz o layout, a propaganda, é a fábrica. Daí eles nos repassam a arte só para colocarmos nosso logotipo", afirma Lilian Rosa, de 42 anos, analista de marketing do estabelecimento.

Lingerie e pacificação. Como foi divulgado nesta semana, o Conar negou recurso da fabricante de lingerie Duloren contra uma decisão de proibir a veiculação de uma campanha publicitária.

Lançada em março, com o slogan "Pacificar foi fácil. Quero ver dominar", a peça faz menção à pacificação da Favela da Rocinha, na zona sul do Rio, ocorrida em novembro de 2011 como preparação para a instalação de Unidade de Polícia Pacificadora (UPP).

Na foto que compõe a propaganda, uma moradora da Rocinha, a depiladora Ana Paula Soares, de 29 anos, aparece de lingerie, com olhar desafiador e segurando um quepe militar.

A propaganda levou a mais de 20 reclamações de consumidores, homens e mulheres, ao Conar. "O anúncio tentou inovar e foi infeliz, pois vulgariza a mulher e banaliza a pacificação", afirmou a relatora do recurso, Renata Garrido.

Mais conteúdo sobre:
Conarpublicidade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.