Concunhado de Beira-Mar é detido em ação no Paraguai

Sandro José de Oliveira é acusado de enviar ao País de 20 a 30 toneladas por mês da maconha

Efe,

14 de março de 2008 | 04h35

As autoridades paraguaias detiveram nesta quinta-feira, 13, um concunhado do traficante Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, em uma operação antidrogas realizada no nordeste do país, na fronteira com o Brasil. Ele será deportado para o Brasil. O diretor da Secretaria Nacional Antidrogas (Senad), Hugo Castor Ibarra, disse que o detido, Sandro José de Oliveira, é acusado de enviar ao Brasil de 20 a 30 toneladas por mês da maconha cultivada nos departamentos paraguaios de Amambay e Canindeyú. Ibarra afirmou que Sandro foi preso junto com os também brasileiros e irmãos Saturnino Enciso Tavares, o "Preto", e Lino Tavares da Silva, o "Lino", em Ype Hú, povoado de Canindeyú, na região fronteiriça. Os três são foragidos da Justiça brasileira e o concunhado de Beira-Mar "é um fugitivo do Complexo do Carandiru (que foi demolido), e foi condenado a vários anos de prisão". Segundo Ibarra, o traficante é "o elo internacional" da rede controlada por Beira-Mar do presídio federal de Campo Grande (MS), já que se encarrega de abastecer com maconha os estados de São Paulo e Rio de Janeiro. O diretor da Senad identificou os outros detidos como os que são responsáveis, do lado paraguaio, de fornecer a maconha, cujo cultivo é feito na extensa área florestal de Canindeyú e Amambay. Os brasileiros já foram transferidos num pequeno avião para Assunção, onde permanecerão detidos na sede da Senad, à espera dos trâmites para sua deportação, já que se encontram em situação irregular no Paraguai.

Tudo o que sabemos sobre:
Beira-Martráfico de drogas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.