Condomínio interditado em Ilhabela

Empreendimento de luxo em construção no litoral norte, Yacamim teve deslizamentos de terra em encosta

Diego Zanchetta, O Estadao de S.Paulo

10 de junho de 2008 | 00h00

A Secretaria de Estado do Meio Ambiente interditou parte das obras do Condomínio Yacamim, em construção na Praia do Veloso, em Ilhabela, litoral norte de São Paulo. Um dos maiores empreendimentos de luxo em construção na região, o espaço terá um hotel-butique, spa e 139 unidades, que vão de bangalôs de 40 a 86 metros quadrados a casas de 120 a 333 m². A previsão é de que o local seja inaugurado em maio de 2009 - 98% das unidades foram vendidas a preços que vão de R$ 200 mil a R$ 1,5 milhão.Durante as chuvas da semana passada, ocorreram deslizamentos de terra em uma das encostas onde fica o condomínio. Como conseqüência, toneladas de barro invadiram o Canal de Ilhabela, segundo o comandante da Polícia Ambiental no litoral norte, Milton Nomura. A autuação foi determinada pelo secretário de Meio Ambiente, Xico Graziano, após sobrevôo no Parque Estadual de Ilhabela na quinta-feira. "Foi assombrosa a imagem que vimos", contou o secretário, em referência à mancha avermelhada que invadiu a Praia do Veloso na quinta-feira da semana passada. "Não foram cumpridas as determinações da licença ambiental, como a construção de barreiras de contenção nessas encostas. Eles (empreiteira Odebrecht) argumentaram que isso ocorreu por causa das chuvas, mas, se tivessem sido feitas as intervenções que pedimos, o deslizamento não teria acontecido."O condomínio ocupa um terreno de 140 mil m², ao longo dos 200 metros de areias da Praia do Veloso, a última que pode ser alcançada de carro na costa sul da Ilhabela. Desde o início, em 2005, a obra é contestada por ambientalistas e moradores, por estar no entorno de área de preservação permanente. A Odebrecht informou que apenas 10% do terreno vai ser de área construída. Um bosque com espécies como macacos, jacutingas e papagaios será preservado, segundo informa o site oficial do Yacamim.O coronel Nomura explicou que o condomínio foi autuado por desrespeito ao artigo 60 da Lei de Crimes Ambientais. "Eles não respeitaram os termos da licença para a obra. Em caso de reincidência, haverá multa também. Por enquanto, foi só um auto de infração", acrescentou o coronel.Paulo Aridam, diretor de construção da Odebrecht, afirmou que os deslizamentos da semana passada foram resultado de "chuvas atípicas". Ele garante que o prazo para a entrega dos imóveis, em maio de 2009, está mantido."O que nós tivemos de parar foi a parte de terraplenagem. O restante da obra foi mantido. E já estamos correndo com a parte de drenagem que nos foi pedida", disse Aridam. "Todas as correções estão em ritmo acelerado, como a construção de taludes de contenção", completou o diretor da empreiteira.O Yacamim foi concebido como um condomínio para ter infra-estrutura de hotel opcional.A promotora de Meio Ambiente do litoral norte, Elaine Taborda, disse não ter recebido ainda o auto de infração emitido ao condomínio. "O que eu sei é que a obra ganhou todas as licenças necessárias para a sua execução", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.