Condomínios arrecadam mais que SP

Para viver bem e com segurança nos 22 mil prédios residenciais de São Paulo, os cerca de 4,6 milhões de paulistanos que moram em apartamentos pagam anualmente R$ 10,5 bilhões em taxas de condomínio, valor que já ultrapassa o arrecadado pela cidade em impostos municipais - R$ 8,9 bilhões no ano passado. Segundo estudo da Associação das Administradoras de Bens Imóveis e Condomínios (AABIC-SP), o valor médio da taxa condominial paga em São Paulo em junho deste ano foi de R$ 665, variando de R$ 243 para apartamentos com um dormitório a R$ 1.401 para apartamentos de quatro quartos.Isso significa uma receita mensal de R$ 878 milhões para 1,32 milhão de apartamentos na cidade - estimados pelo Sindicato da Habitação (Secovi-SP). Comparado aos gastos do paulistano de R$ 2,9 bilhões com o Imposto Territorial Predial e Urbano (IPTU), o total com a taxa condominial é 3,6 vezes maior anualmente.Com essa verba, os edifícios empregam diretamente 132 mil funcionários, sem contar os serviços das cerca de 400 administradoras de condomínio que ajudam cerca de 90% dos síndicos na tarefa de gerir essa verba bilionária. "É difícil. Condomínios hoje são regulados por leis tão complexas como as de empresas, o que engessa a administração. A diferença é que são lugares onde as pessoas vivem, o que deixa os síndicos sob intensa pressão", afirma Angélica Arbex, gerente de Marketing da Lello Condomínios, que administra 1.350 empreendimentos em São Paulo. Com o boom imobiliário, nos próximos dois anos, o Secovi estima que sejam lançados mais de 1.300 edifícios na cidade. É como se uma nova cidade de 273 mil pessoas se mudasse para apartamentos. Trata-se de uma alteração veloz na estrutura social da cidade, que vem mudando aceleradamente nos últimos 30 anos. Segundo a Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio (Embraesp), entre 1977 e o ano passado foram lançados 10.006 edifícios residenciais na cidade. "E cada condomínio é um microcosmo, com todas as suas complexidades. Tanto moradores como síndicos devem estar atentos para que a vida em comunidade não se torne insuportável", diz o advogado Márcio Rachkorsky, especialista em conflitos em condomínios, que publica um jornal com tiragem de 20 mil exemplares, em que tira dúvidas de síndicos e moradores. Para enfrentar os desafios, o perfil dos síndicos mudou. Pesquisa da Lello mostra que 65% têm nível superior e 13%, pós-graduação. "Se antes era tarefa de aposentados, hoje vemos cada vez mais jovens interessados em aperfeiçoar a gestão dos prédios onde vivem", diz Rosely de Oliveira Schwartz, coordenadora do curso de Gestão e Administração de Condomínios da Universidade Paulista (Unip).

Bruno Paes Manso e Valéria França, O Estadao de S.Paulo

30 Agosto 2008 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.