Confirmada pena a traficante que incendiou ônibus 350

Condenado por ser o mandante do ataque ao ônibus 350, em que cinco passageiros - entre eles um bebê - foram queimados e mortos no Rio de Janeiro, o traficante Anderson Gonçalves dos Santos, mais conhecido como Lorde, teve a pena ratificada nesta quinta-feira pelo 2.º Tribunal do Júri. Lorde foi julgado pela segunda vez e teve a pena fixado, novamente, em 444 anos e seis meses de prisão. O júri foi refeito porque as punições pelos homicídios haviam sido superiores a 20 anos de detenção. Ele não tem direito a um terceiro júri.Os sete jurados, duas mulheres e cinco homens, foram unânimes ao decidir pela manutenção da pena, que deverá ser cumprida em regime fechado. Presidido pelo juiz Luiz Noronha Dantas, o julgamento começou por volta do meio-dia de quarta-feira e terminou após as 15 horas desta quinta. O primeiro júri havia sido realizado em 7 de novembro.O crime aconteceu em novembro de 2005, em Brás de Pina, zona norte do Rio. O ônibus estava cheio de passageiros que voltavam do trabalho.Lorde, segundo o Ministério Público (MP), determinou que o coletivo fosse queimado como forma de vingar a morte de um comparsa, em operação policial. Os passageiros foram impedidos de sair. Entre as vítimas, estava um bebê de 1 ano, que morreu no colo da mãe. Durante o julgamento, sobreviventes foram ouvidos em plenário e contaram o drama que viveram.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.