Confirmadas pelo menos 9 mortes em MG; lista oficial sai na 4ª

22 feridos foram resgatados do ônibus que caiu num córrego na cidade de Além Paraíba

Eduardo Kattah, de O Estado de S. Paulo,

30 de dezembro de 2008 | 18h36

Mais uma tragédia foi registrada nas estradas que cortam Minas Gerais neste fim de ano. Pelo menos nove pessoas morreram e três permaneciam desaparecidas após um grave acidente com um ônibus da viação Itapemirim no final da noite de segunda-feira, 29, na cidade de Além Paraíba, região da Zona da Mata, a 380 quilômetros de Belo Horizonte. Outros 22 ocupantes do veículo ficaram feridos.   De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), por volta das 23h30, o ônibus que seguia pela BR-116 saiu da pista na altura do quilômetro 790 e despencou em uma ribanceira de aproximadamente 80 metros. O veículo capotou e caiu no córrego do Angu, ficando submerso, apenas com as rodas fora da água. A PRF na cidade de Leopoldina informou que até o início da noite desta terça-feira, 30, nove vítimas fatais haviam sido resgatadas, entre elas o motorista do ônibus, identificado apenas por Amarildo. Equipes de mergulhadores faziam buscas no córrego à procura de três passageiros que foram levados pela correnteza.      Os 22 feridos foram socorridos e 21 deram entrada no hospital Casa de Caridade Leopoldinense, na cidade vizinha de Leopoldina. Conforme o hospital, vários feridos já haviam recebido alta e apenas o estado de saúde de uma mulher de 39 anos, internada no Centro de Tratamento Intensivo (CTI), inspirava mais cuidados. Às 17 horas, o Centro de Operações do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais chegou a informar que os corpos encontrados somavam 19.   O veículo havia saído às 15h30 de segunda-feira da cidade de Iúna, no Espírito Santo, e seguia para cidade de São Paulo.   A empresa informou à PRF que foram emitidas passagens para 33 pessoas - entre adultos e crianças maiores de seis anos. Com o condutor, estavam no ônibus pelo menos 34 pessoas. O número de vítimas, porém, pode ser maior porque crianças menores de seis anos não pagam passagem e, segundo a Polícia Rodoviária, a empresa não soube informar quantas estariam no veículo. Nenhuma havia sido resgatada até o início da noite, de acordo com a PRF.   Causas   Um inquérito será aberto e a perícia técnica da Polícia Civil deverá apontar as causas do acidente. Mas a suspeita dos agentes federais que estiveram no local é que o motorista tenha perdido a consciência ou mesmo dormido ao volante. Chovia forte no momento do acidente e o veículo saiu da pista logo após uma curva em descida.   "Não tem marcas de frenagem na pista. Provavelmente o motorista passou mal ou de alguma forma se distraiu", disse o inspetor João Marcos.   De acordo com a PRF, o tacógrafo do ônibus, caso não tenha sido danificado, poderá indicar se o veículo seguia em alta velocidade.   Resgate   O acesso até o local do acidente era bastante íngreme e os bombeiros precisavam usar de cordas para chegar até o veículo. O socorro aos feridos e o resgate dos corpos também foram dificultados pelo nível elevado das águas do córrego em razão das chuvas que atingem a região. A força da correnteza atrapalhava o corte das ferragens. Um guindaste foi deslocado para tentar içar o ônibus.   Os corpos de duas vítimas fatais foram resgatadas no córrego. Os trabalhos de eram acompanhados por parentes de vítimas.   O acidente gerou informações desencontradas, fornecidas pelos órgãos oficiais. O Estado-Maior Emergencial do Corpo de Bombeiros - instituído para coordenar as informações sobre as chuvas que atingem Minas - chegou a divulgar que 19 pessoas haviam morrido. A informação foi contestada de pronto pela PRF, que divulgou os números oficiais.   Durante todo esta terça-feira, 30, o Estado não conseguiu contato com a assessoria de imprensa da empresa. A reportagem procurou a Itapemirim em São Paulo, que disse que apenas um assessor poderia fornecer informações. O número de telefone celular passado permaneceu desligado ou fora da área de serviço.   Recorde de acidentes   O acidente em Além Paraíba chama a atenção para o número recorde de colisões e vítimas nas estradas mineiras - Estado que possui a maior malha rodoviária do País - nos últimos dias. Somente nas BRs que cortam Minas, foram registrados 903 acidentes entre os dias 20 e 28 de dezembro, número 52,2% maior que o registrado no mesmo período do ano passado, quando aconteceram 593 desastres. Neste ano, durante a primeira fase da "Operação Fim de Ano" - relativa ao Natal -, a PRF contabilizou 50 mortos em acidentes, contra 31 no ano passado, um incremento de 61,3%.   Ampliada às 20 horas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.