Confissão com papa Francisco emociona jovens na Quinta da Boa Vista

Fiéis tiveram poucos minutos com o pontífice e se surpreenderam com sua humildade

Artur Rodrigues e Mariana Durão, O Estado de S. Paulo

26 Julho 2013 | 11h28

RIO - Três brasileiros, um venezuelano e um italiano tiveram a oportunidade para se confessar com o papa Francisco na manhã desta sexta-feira, 26. Escolhidos por sorteio durante a inscrição para a JMJ, os jovens foram recebidos pelo papa Francisco na Quinta da Boa Vista, na região central do Rio de Janeiro.

O funcionário público Antônio Luís de Amorim, de 21 anos, conta que ficou sabendo há dois meses que se confessaria com o papa Francisco. "Foi uma alegria, mas uma alegria contida. Nem minha mãe sabia", conta. Segundo ele, a confissão foi rápida, de apenas dois minutos, mas "inesquecível".

Cerca de 400 convidados, entre peregrinos, escoteiros e religiosos acompanharam a confissão dos jovens na Quinta da Boa Vista, que contava também com 50 tendas para os demais peregrinos. Por volta de 9h30, o pontífice chegou de carro com vidro aberto à área dos confessionários montada no parque e foi levado por um corredor formado por peregrinos até as tendas em que ouviu as penitências dos cinco jovens.

Já o cearense de Paracuru, Renan Sousa, recebeu por telefone a notícia de que seria um dos jovens a se confessar com o papa Francisco na Jornada Mundial da Juventude há um mês e meio. "Mas a ficha só caiu hoje quando ele sorriu pra mim", contou após a confissão. Aos 22 anos, Renan é funcionário público da prefeitura municipal de sua cidade e diz que até pouco tempo não era católico praticante.

Ele conta que estava muito ansioso, mas que tudo mudou ao ver o pontífice com um largo sorriso. "Ele realmente é o santo padre do povão. Me sinto totalmente renovado e pronto para caminhar", disse Renan.

A italiana Claudia Gianpietro,27, também estava entre os cinco jovens sorteados para ir ao confessionário com Jorge Bergoglio. "Tentei viver essa confissão como uma confissão cotidiana. Queria apenas compartilhar o jeito simples do papa", disse ela que está no Rio como voluntária da JMJ e é estudante de Ciências Religiosas, em Roma.

Para o estudante Wellington de Melo, de 23 anos, os momentos que passou com o papa foram "esplendorosos". Morador do Rio, ele teve cinco minutos para se confessar ao pontífice. "O que marcou foi o olhar carinhoso que ele tinha para cada um de nós. A humildade brotava dos olhos dele", disse.

A escolha dos cinco jovens foi feita pela coordenação da Jornada Mundial da Juventude que organizou um por meio do sistema de inscrição de participantes da JMJ. Após o papa ouvir a penitência dos jovens selecionados, a Quinta da Boa Vista foi reaberta para a confissão dos outros peregrinos que estavam no local.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.