Confronto com a polícia por causa de aumento de passagens

Estudantes e policiais militares entraram em confronto no final da tarde de hoje em Florianópolis, no terceiro e mais tenso dia de manifestações contra o aumento de 15,6% no preço das tarifas do transporte coletivo. Cerca de 1,5 mil manifestantes tentaram invadir o Terminal Integrado do Centro (Ticen) por volta das 18 horas, quando foram impedidos por bombas de efeito moral. Os estudantes revidaram com paus e pedras e o conflito se instalou, assustando a população que se dirigia ao terminal.Até as 19 horas não havia notícias de feridos graves, mas o líder do movimento, Marcelo Pomar, acabou preso. Como a avenida Paulo Fontes, onde ocorreu o confronto, estava interditada desde as 16 horas, o trânsito ficou bastante complicado até o início da noite para os motoristas que precisavam se deslocar para o Continente.Os protestos contra o aumento das tarifas - as passagens das linhas mais longas custam hoje R$ 3,00 - começaram nasegunda-feira, com o fechamento de várias ruas e terminais que compõem o sistema integrado de transporte. Hoje o diacomeçou ainda mais tenso, com três ônibus incendiados durante a madrugada no Sul da Ilha, na garagem da empresa Insular,mas os manifestantes negam participação no ocorrido. Vários terminais foram novamente fechados.À tarde, os estudantes se deslocaram em passeata para o Núcleo de Transportes, conturbando o trânsito na região central. No Núcleo, vereadores e prefeitura discutiram a possibilidade de reduzir os preços, mas nenhuma decisão foi tomada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.