Confronto entre PM e traficantes deixa 4 mortos no Rio

Moradores do Complexo da Maré ameaçavam bloquear a Linha Vermelha e a Avenida Brasil na manhã desta 6ª

Da Redação, com informações de Pedro Dantas, de O Estado de S. Paulo,

19 de dezembro de 2008 | 10h13

Quatro pessoas morreram e sete ficaram feridas na madrugada desta sexta-feira, 19, em um confronto entre policiais e traficantes na Favela Parque União, no Complexo da Maré, zona norte do Rio. Entre os mortos está uma menina de 14 anos. Dois policiais civis ficaram feridos. A Linha Vermelha - uma das principais vias expressas do Rio - foi fechada por pelo menos 15 minutos devido a um intenso tiroteio. A operação policial começou por volta das 0h30 desta sexta, mas os motivos da operação não foram divulgados.   O confronto começou quando dois veículos blindados da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core), o grupo de elite da Polícia Civil, foram atacados por traficantes da favela. Para retirar os carros, os policiais tiveram que arrancar as barricadas feitas pelos bandidos, que impediam a circulação por algumas vias. No tiroteio, dois moradores ficaram feridos. Segundo as famílias, eles não tinham envolvimento com o tráfico, o que deixou moradores da comunidade revoltados.    Na manhã desta sexta, o clima ainda era de apreensão no Complexo da Maré. Policiais do 22º Batalhão da PM reforçaram o acesso às principais entradas da favela para evitar protestos. Os moradores da comunidade ameaçavam fechar duas das principais vias expressas do Rio, a Linha Vermelha e a Avenida Brasil.    Revolta   A morte da adolescente acontece 16 dias depois da morte do menino Matheus Rodrigues Carvalho, de 8 anos, no mesmo conjunto de favelas. Matheus foi morto com um tiro de fuzil na cabeça, quando saía de casa na Favela Baixa do Sapateiro para comprar pão.   Os outros mortos são Jhonny Isaías Barbosa, de 18 anos, Jackson Martins Campos, de 20 anos e João Rodrigo da Silva Paulo, de 25 anos. Eles estariam em um bar na localidade da favela conhecida como Chiqueirinho.   Os feridos já identificados são Priscilane Santhiago de Lima, de 19 anos, o menor E.F., de 16 anos, Vinícius Chagas Carvalho, de 21 anos e Raul Barbosa Filho, de 26 anos. Todos eles foram baleados nas pernas e passaram por cirurgias. Eles teriam sido atingidos quando tentavam escapar do tiroteio após saírem de uma lan-house. O caso mais grave é de Leandro Santos da Silva, de 30 anos, baleado nas costas e nas pernas.   O policial civil Guilherme Brazão Cabral Júnior, de 30 anos, foi ferido no rosto, mas já foi liberado. Um policial civil com um tiro nas nádegas permanece internado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.