Congonhas fecha e vôos atrasam em outros aeroportos

Por conta do fechamento do Aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo, por 45 minutos no começo da manhã desta sexta-feira, 27, pelo menos dois aeroportos do País tiverem pousos e decolagens atrasados. Em Brasília, um vôo que deveria sair às 9 horas com destino para São Paulo, foi remarcado para às 12 horas. O ministro da Defesa, Waldir Pires, que estava na fila de embarque, teve que ouvir reclamações de passageiros, insatisfeitos com a demora. Em Congonhas, do total de 90 vôos programados para o período das 5h30 até as 10 horas, 36 decolagens sofreram atrasos de mais de 45 minutos. Já as chegadas, 21 tiveram alteração de horários, segundo relatório da Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero). Os atrasos em Congonhas também refletiram no Aeroporto Internacional de São Paulo, em Cumbica, deixando vários vôos, entre partidas e chegadas, com atrasos de mais de uma hora. O aeroporto operou normalmente, mesmo com as chuvas, mas até as 10 horas, 25 chegadas tiveram atrasos de mais de uma hora, e 21 partidas, a maioria da empresa aérea TAM, sofreram alterações de horários. Segundo a assessoria da TAM, alguns vôos tiveram que ser alternados, devido ao tráfego aéreo, ocasionado pelo fechamento da pista em Congonhas. No Rio de Janeiro, os aeroportos operavam normalmente, com poucos registros de atrasos em partidas e decolagens, sendo que os vôos com maiores problemas eram justamente os que vinham da capital paulista. O Aeroporto Santos Dumont apresentava cinco vôos de chegadas com atrasos de mais de uma hora, sendo a maioria vindo de São Paulo. Já as partidas apresentavam atrasos de mais de 10 minutos, mas cinco delas estavam com mais de uma hora fora do horário previsto e duas delas foram canceladas. No Aeroporto Internacional Tom Jobim, o Galeão, nove pousos e 11 decolagens registraram atrasos de mais de uma hora, segundo a Infraero. Texto ampliado às 11h32 para acréscimo de informações.

Agencia Estado,

27 Abril 2007 | 10h45

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.