Congonhas pode ter restrição de vôos após o carnaval

A desembargadora Cecília Marcondes, da 3º região do Tribunal Regional Federal de São Paulo, restabeleceu a interdição do Aeroporto de Congonhas para aeronaves de modelo Fokker 100 e Boeing 737-700 e 737-800, caso a Agência Nacional e Aviação Civil (Anac) não apresente até dia 26 de fevereiro dados técnicos sobre o peso destes modelos de aviões. Se a Agência não apresentar o relatório, a decisão de restringir estes três modelos valem a partir do dia 28 de fevereiro, uma quarta-feira. Passará a valer, então, a proposta do juiz Ronald de Carvalho, da 22ª vara cível federal de São Paulo. Caso seja mantida, a decisão preocupa, já que implica na mudança de malha no Aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo. A informação foi prestada pelo brigadeiro José Carlos Pereira, presidente da Infraero. "O problema para mim agora é o day after, após o carnaval", afirmou o brigadeiro, que informou a decisão da Justiça ao ministro da Defesa, Waldir Pires. O brigadeiro disse que não recebeu intimação oficial da decisão, mas que já estão sendo avaliadas as possibilidades e as alternativas, para caso a decisão seja mantida. Carnaval O presidente da Infraero não espera que haja problemas no carnaval porque, de qualquer forma, mesmo que haja alteração na situação de Congonhas, a decisão só valerá dentro de dez dias, depois do feriado. Waldir Pires teve uma reunião com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva para esclarecer a situação dos aeroportos do País durante o feriado. O ministro informou ao presidente que a situação era tranqüila e a expectativa é de que não haja problemas com longos atrasos de vôos no feriado. Lula e o ministro conversaram por telefone com o presidente da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Milton Zuanazzi, que também fez um relato tranqüilizador. Segundo ele, na manhã desta sexta-feira, apesar do tráfego intenso, os vôos estavam saindo normalmente. "Vai ser um carnaval sem transtorno", afirmou. A preocupação do presidente Lula é de que a população seja prejudicada e que não tenha o serviço garantido, como ocorreu nas festas de fim de ano. Esta matéria foi alterada às 14h42 para acréscimo de informações.

Agencia Estado,

16 Fevereiro 2007 | 13h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.