Congonhas voltará a ter escalas e conexões, diz Jobim

Segundo ministro, mudanças ocorrerão a partir de 16 de março, período de baixa estação após retorno às aulas

Maurício Savarese, da Reuters,

21 de janeiro de 2008 | 17h32

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, anunciou nesta segunda-feira, 21, que a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) permitirá escalas e conexões no Aeroporto de Congonhas a partir de 16 de março, período de baixa estação após o retorno às aulas em todo o País.     Veja também: Conac afrouxa plano de segurança pós-acidente de Congonhas Definição de 3º aeroporto de SP ocorrerá até 2009, diz JobimAs empresas aéreas vão operar dentro dos limites definidos no último semestre, quando o Ministério da Defesa reduziu o espaço para pousos e decolagens e ampliou o tempo entre uma operação e outra no aeroporto paulistano, abalado em 2007 pelo maior acidente aéreo brasileiro, resultando em 199 mortos. Jobim informou que vôos charter e de fretamento serão autorizados em Congonhas aos fins de semana, após insistentes pedidos do setor turístico do Nordeste, de acordo com comunicado divulgado pelo site do Ministério da Defesa. Essas operações foram proibídas pela Anac em 2007. Após a tragédia com o avião da TAM em Congonhas, o governo e as empresas aéreas reestruturaram a malha com o objetivo de desafogar Congonhas, tido como um dos principais hubs - pontos de conexão - de todo o Brasil. Devido às mudanças, Congonhas opera com apenas 30 operações de pouso e decolagens por hora, em comparação com as mais de 40 em meados do ano passado, antes do acidente, de acordo com o Ministério da Defesa. Por conta das mudanças, o aeroporto paulistano teve 205.130 pousos e decolagens no ano passado, ante as mais de 230 mil em 2006. O texto do ministério diz ainda que estudos consideraram "antieconômica" uma terceira pista no Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, hoje o mais movimentado do País. Em vez disso, a capacidade do aeroporto será aumentada de 45 pousos por hora para cerca de 54 pousos, por meio de "mudanças no terminal de passageiros, com a construção de saídas rápidas para as aeronaves que aterrissam e com a construção de pátios para aeronaves de grande porte", diz o texto do ministério. Os estudos para um terceiro aeroporto em São Paulo e a elaboração de um projeto devem estar prontos até junho de 2009, de acordo com o Ministério da Defesa.

Tudo o que sabemos sobre:
CongonhasNelson JobimAnac

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.