Conselheiro da Anatel é cotado para substituir Hélio Costa

Ministro vai deixar a Esplanada este mês, para disputar o governo de Minas, e deve passar o cargo a Antônio Bedran

Gerusa Marques, O Estadao de S.Paulo

17 de março de 2010 | 00h00

BRASÍLIA

O nome de Antônio Bedran, conselheiro da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), surgiu com força para substituir Hélio Costa no comando do Ministério das Comunicações. Costa deixará o cargo no fim do mês para concorrer ao governo de Minas Gerais pelo PMDB.

A indicação de Bedran é trabalhada em conjunto por PMDB e PT, dentro da aliança nacional que deverá apoiar a candidatura da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, à sucessão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Bedran tem conhecimento do marco regulatório das telecomunicações, fundamental para este momento de definição do Plano Nacional de Banda Larga. Com formação em Direito, Bedran já trabalhou na Embratel e Telemig, antes da privatização do Sistema Telebrás, e foi consultor jurídico do Ministério das Comunicações, de 1994 a 1998, no governo de Fernando Henrique Cardoso. Em 1998, passou a ser procurador-geral da Anatel, onde ficou até 2007, nomeado para o conselho diretor da agência.

A escolha atenderia ao critério técnico, exigido por Lula, e ao político, contentando Hélio Costa, de quem é amigo. O nome de Bedran já foi apresentado à ministra Dilmal, que teria ''adorado'' a ideia, segundo um interlocutor do governo.

A primeira opção de Hélio Costa para substituí-lo foi o seu chefe de gabinete, José Arthur Filardi Leite. O nome, porém, sofre resistências no Planalto. Também tem circulado o nome de José Zunga, sindicalista ligado ao PT, que ocupa uma cadeira no conselho consultivo da Anatel.

Fontes do setor dizem que Bedran não teria problemas em assumir o cargo, já que seu mandato na Anatel termina em novembro. Para a vaga na agência, voltaram a ser cogitados os nomes do assessor André Barbosa, da Casa Civil, e do ouvidor da Anatel, Nilberto Miranda, ligados ao PT.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.