Conselho de Economia reúne assessores econômicos de presidensiáveis

O Conselho Federal de Economia está promovendo nesta quinta-feira, 14, um encontro, em Brasília, com os assessores econômicos dos candidatos à Presidência da República para conhecer os seus programas econômicos. Já apresentaram suas propostas os economistas Cesar Benjamin, candidato a vice-presidente da chapa de Heloísa Helena (PSOL), e o professor Carlos Alberto Nunes Cosenza, da UFRJ, representante do candidato Cristovam Buarque (PDT).Consenza disse que o problema central do Brasil é que a dívida pública está regendo o País. "O País está encurralado; faz um alto superávit primário, mas é incapaz de pagar os juros". O vice da chapa de Heloísa Helena, por sua vez, criticou o regime de metas de inflação, a política de superávit primário, a alta dos juros e a ênfase dada ao assistencialismo. "Os políticos estão disputando nesta campanha quem faz mais caridade", disse Benjamin, referindo-se às propagandas eleitorais de Alckmin e Lula que tentam destacar seus programas sociais.Ainda na tarde desta quinta, o assessor econômico do candidato à presidência da República Geraldo Alckmin (PSDB), professor Antonio Márcio Buai Naim, e o professor Nelson Barbosa, assessor econômico do candidato à reeleição, Luiz Inácio Lula da Silva, farão suas apresentações.PopulismoO economista Antonio Márcio Buainain, assessor econômico do candidato presidencial da coligação PSDB-PFL, Geraldo Alckmin, disse, em palestra sobre o programa econômico do candidato, que o governo Lula pratica uma política "populista" que leva a um desperdício de recursos públicos."Governar é eleger. Precisamos sair do populismo", afirmou Buainain, no auditório da Associação Comercial do Distrito Federal. Ele qualificou de "ineficazes" os gastos que o governo tem feito no combate à pobreza e na reforma agrária."Precisamos dar prioridade a projetos de infra-estrutura que tenham efeito." Neste momento, começa a apresentação do assessor do presidente Lula, Nelson Barbosa, integrante da equipe da Secretaria de Política Econômica do Ministério da Fazenda.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.