Dida Sampaio/AE
Dida Sampaio/AE

Conselho tucano ensaia crítica dura ao governo

Em sua primeira reunião, órgão do PSDB que reúne notáveis do partido faz texto contrário a Dilma, mas documento ainda será avaliado por Aécio

Christiane Samarco / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

30 de junho de 2011 | 00h00

Na primeira reunião do Conselho Político do PSDB sob a presidência do ex-governador José Serra, o tucano sugeriu que o partido divulgue uma dura análise de conjuntura contra o atual governo. O texto inicial produzido pelo próprio Serra afirma que o País está "sem rumo claro" e é dirigido com hesitação quando se trata de questões econômicas. A proposta será submetida ao senador Aécio Neves (PSDB-MG), que ontem não estava presente na reunião, e a versão final será divulgada apenas amanhã, por orientação de Serra.

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que será homenageado hoje de manhã pelos 80 anos completados no dia 18 passado, em solenidade preparada pelo PSDB no auditório Petrônio Portela do Senado, também participou da reunião. Indagado sobre o documento acordado pelos conselheiros, Fernando Henrique disse que aprovou o tom "objetivo" adotado e acrescentou: "Eu sigo o Serra". Bem-humorado, destacou que o conselho não personalizou críticas a ninguém e encerrou a entrevista: "Agora chega. Vocês querem que eu fale mal da minha presidenta?"

Sérgio Guerra definiu a primeira manifestação do conselho como "uma crítica mais organizada ao conjunto do governo".

Quando os jornalistas insistiram em saber de Fernando Henrique como o governo petista tem tratado a herança deixada por ele, o ex-presidente respondeu: "Como em toda herança, você pode perdê-la ou aumenta-la. Algumas coisinhas foram perdidas, e em outras houve ganho. É natural, assim é a vida".

Combatividade. Serra defendeu a tese de que o PSDB seja preparado para tornar-se um partido "mais combativo em todo o Brasil" e observou que ainda falta "avançar muito" nesse quesito. Por isso mesmo, a ideia é que o Conselho Político se reúna a cada dois meses e apresente análises de conjuntura como a que será divulgada amanhã. Todos os documentos produzidos pelos conselheiros deverão ser enviados aos diretórios estaduais do PSDB para que sejam debatidos pela militância em todo o País. "Temos de politizar mais as ações partidárias", disse Serra.

Quem representou os governadores no conselho foi Marconi Perillo, de Goiás. O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, que participa do colegiado na condição de ex-candidato a presidente, apresentou proposta de criação de um "gabinete-sombra" para acompanhar e fiscalizar as ações do governo, mas destacou que nomear 40 técnicos para acompanhar cada ministério seria um exagero. "Teremos uma equipe organizada por setores centrais que vão nos balizar para o partido fiscalizar o governo e atualizar suas políticas", anunciou Guerra ao fim do encontro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.