Facebook/Reprodução
Facebook/Reprodução

Cônsul diz que possível motivo da morte de brasileiro na Austrália é 'desmesurado'

Brasileiro levou vários disparos de pistola de eletrochoque por policiais

Solange Spigliatti,

20 Março 2012 | 09h29

São Paulo, 20 - O cônsul-adjunto do Brasil na Austrália, André Luís Costa Souza, classificou de 'desmesurado' o possível motivo da morte do estudante brasileiro Roberto Laudisio Curti, de 21 anos, no domingo.

Nesta terça-feira, 20, em entrevista ao jornal Bom dia Brasil, da TV Globo, o cônsul afirmou que os motivos do uso das pistolas de choques elétricos por parte da polícia da Sidney ainda estão sendo investigados. "Esse é o questionamento da imprensa local. É algo que a gente espera seja logo elucidado. As circunstâncias da morte. Porque, em princípio, se confirmado, é algo desmesurado. Um disparo de taser já é muito forte. Vários disparos transformam o taser em uma arma letal", afirmou André.

Roberto Laudisio Curti foi morto às 5h30 de domingo (horário local), no centro de Sidney após uma perseguição policial. Cercado por seis agentes, ele foi alvo de pelo menos quatro golpes de uma arma taser (pistola de eletrochoque). A necropsia só deverá ser concluída na próxima semana, mas já se investiga se houve excesso por parte das forças policiais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.