Rafael Arbex/Estadão
Rafael Arbex/Estadão

AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Conta de bloqueadores em presídios deve sobrar para governo

Câmara votará projeto aprovado pelo Senado que exime as operadoras de telefonia da responsabilidade pela instalação

Leonencio Nossa, O Estado de S.Paulo

02 de março de 2018 | 03h00

BRASÍLIA - O Congresso caminha para repassar ao governo a conta da instalação de bloqueadores de sinal de celulares e radiotransmissores nas penitenciárias. Em regime de urgência, a Câmara votará projeto aprovado pelo Senado que exime as operadoras de telefonia da responsabilidade. Pela proposta, o Fundo Penitenciário Nacional (Funpen) bancará a despesa inicial estimada em R$ 1,5 bilhão.

Um acordo entre lideranças das duas casas estabeleceu que as empresas ficarão responsáveis, em um segundo momento, pelo custeio de funcionamento e manutenção dos aparelhos. Nas contas preliminares do Ministério da Justiça, o funcionamento dos bloqueadores nas 347 unidades prisionais para condenados a regime fechado no País consumirá R$ 200 milhões por ano.

++ Suspeito é morto em confronto com policiais militares na Rocinha

O presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), autor do projeto, argumentou que uma sobra do orçamento do Funpen do ano passado poderá bancar a instalação dos bloqueadores, e, um prazo de até seis meses após a aprovação final do texto. Uma emenda do senador Romero Jucá (MDB-RR), no entanto, estabeleceu que as empresas devem arcar com o custo no caso de “escassez” de recursos.

Na Câmara, o projeto será relatado pelo líder do MDB na Casa, Baleia Rossi (SP). Em dezembro, Rossi aprovou proposta que obrigava as operadoras a pagar todo o custo do sistema de bloqueio da frequência de sinais. O projeto dele não chegou ao plenário do Senado. O parlamentar mantém a sua posição que vai contra os interesses das empresas, mas avalia que o acordo permitirá a implantação mais rápida do sistema. “O importante é ter os bloqueadores, por isso devemos apoiar o texto do Senado que concluiu que o fundo penitenciário pode bancar”, disse. “Na tribuna, porém, foi defender que as operadoras deveriam pagar, pois elas têm lucros exorbitantes.”

++ Temer anuncia plano para segurança pública; valor deve ser de R$ 42 bilhões

A Associação Nacional das Operadoras (Acel), que reúne Vivo, Claro, OI e TIM a Claro, travou e venceu uma batalha, em 2016, com os governos da Bahia, de Mato Grosso do Sul, do Paraná e de Santa Catarina para não ficar com a conta da instalação e da gerência dos bloqueadores. O Supremo Tribunal Federal entendeu que os Estados não podem legislar sobre telecomunicações. O Ministério da Justiça, a Acel e as empresas de telefonia citadas nesta reportagem foram procurados, mas não quiseram se pronunciar sobre o assunto.

Em conversas reservadas, Eunício Oliveira disse que não pode passar a conta para operadoras que estão “quebradas”. “Melhorar a segurança pública da população é o principal objetivo do projeto que obriga a instalação de bloqueadores com a aplicação de recursos do Funpen”, afirmou o senador, por meio da assessoria. Eunício foi ministro das Comunicações no governo Luiz Inácio Lula da Silva em 2004 e 2005. Após ocupar o cargo, ele atuou na Câmara em defesa de projetos na área até 2011 e, depois, no Senado.

Reportagem publicada em dezembro pelo Estado indicou que apenas 3,7% de um total de R$ 1,2 bilhão do Funpen foram gastos pelos governos estaduais em presídios. A falta de projetos seria o principal entrave para o repasse de recursos. A preocupação de técnicos do Departamento Penitenciário Nacional (Depen), órgão do Ministério da Justiça, ouvidos informalmente pela reportagem, é que, no momento em que o governo busca soluções para destravar o repasse para melhoria dos presídios, o Congresso desvirtua a finalidade do principal fundo de investimento na área. Criado em 1994, o Funpen só pode ser utilizado, atualmente, para construção e melhoria física dos presídios. O projeto aprovado agora no Senado altera a legislação do fundo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.