Contingente do Exército deve chegar a 3,5 mil para fazer segurança na BA

Forças Armadas ampliaram número de militares no Estado por causa da greve dos policiais militares

Agência Brasil,

05 de fevereiro de 2012 | 18h15

SÃO PAULO - Até o final do dia, o contingente de militares das Forças Armadas atuando na Bahia, para garantir a segurança em meio à greve de policiais militares, deverá chegar próximo a 3,5 mil homens, segundo informou o ministro interino da Defesa e comandante do Exército, general Enzo Martins Peri, após participar da cerimônia de troca da bandeira na Praça dos Três Poderes.

"As ações do Exército [na Bahia] vão muito bem e, até agora está muito positivas, com a presença das tropas circulando pela cidade. Cada vez mais tropas chegam e, até o final do dia, estaremos beirando os 3,5 mil militares em processo por via aérea e terrestre. Isso mostra a determinação do governo federal em apoiar o governo da Bahia nas suas necessidades", disse o general à Agência Brasil.

"Nossa ação é de patrulhamento em conjunto com os policiais militares que não estão de acordo com o movimento, e nossa parte é apoiar o governo do estado, que é quem conduz as negociações com aqueles que estão envolvidos no movimento [grevista]", completou.

O tenente-coronel Cunha, responsável pelas operações na Bahia, informou que há uma onda de boataria correndo pelo Estado. "Um dos problemas maiores [que estamos vivenciando] é a grande onda de boatos, que já estão sendo combatidos com a presença das nossas tropas, além das policias Militar e Civil, para devolver a sensação de segurança e tranquilidade à população", disse ele à Agência Brasil.

Por determinação do governo federal, 40 homens do Comando de Operações Táticas, a "tropa de elite", da Polícia Federal (PF) chegaram hoje a Salvador. Eles terão a missão de executar os mandados de prisão expedidos contra integrantes do movimento grevista da Polícia Militar. Os policiais federais também serão responsáveis pela remoção dos detidos para presídios federais.

Tudo o que sabemos sobre:
greve da PMbahiaviolênciaExército

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.