Continua a greve na Febem

O sindicato dos funcionários da Febem decidiu manter a greve, iniciada parcialmente hoje, por tempo indeterminado. Segundo o presidente do sindicato, Antonio Gilberto da Silva, a paralisação nesta quartaa-feira será de 100% contrariando a determinação do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) de manter 80% dos funcionários nas dez unidades consideradas mais perigosas e 50% nas demais."Se o governo do Estado pode desobedecer à Justiça, os funcionários também podem" disse. O policiamento nas unidades, outra ordem do tribunal, também não foi cumprido pelo governo do Estado, segundo Silva. A assessoria da Febem disse que a determinação do TRT é dúbia, uma vez que colocar policiais dentro das unidades contraria o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). A fundação entendeu que o juiz determinou que houvesse policiais perto das unidades e isso foi cumprido.O diretor da Febem, Renato Scher, afirmou que a adesão à greve foi pequena hoje. "Praticamente só duas unidades tiveram baixo índice de freqüência", disse. De acordo com o sindicato, a paralisação amanhã vai atingir 32 unidades com 3.300 internos e cerca de 1.500 monitores, além dos funcionários administrativos. "Queremos trabalhar, mas não em regime escravagista", disse Silva.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.