Continua guerra de traficantes em morros do Rio

Traficantes dos morros dos Macacos, do Encontro e do complexo de São João, todos na zona norte do Rio de Janeiro, entraram em confronto pelo segundo dia consecutivo na madrugada desta terça.Nesta segunda-feira, a guerra de facções criminosas deixou dois mortos, entre os quais uma mulher grávida de seis meses. Nesta terça, não houve vítimas, mas o tiroteio, que começou por volta de 1 hora e se estendeu até as 3 horas, mais uma vez levou pânico aos moradores da região.Enquanto nesta segunda-feira 30 bandidos invadiram o São João, nesta terça as quadrilhas trocaram tiros de morro para morro. Policiais militares do 6º batalhão (Tijuca) e do 3º batalhão (Méier) reforçaram o patrulhamento nas ruas próximas às favelas, mas durante a madrugada a PM não interveio no conflito.Nesta segunda-feira, moradores do São João fecharam uma rua por considerarem que houve omissão da polícia. Em outro ponto da cidade, na Favela de Manguinhos, moradores fecharam a Avenida dos Democráticos, na tarde desta terça, em protesto contra ação da polícia. Eles incendiaram colchões e um ônibus.Os moradores acusaram policiais militares do 22º Batalhão da Polícia Militar de terem baleado uma moradora. A PM informa que nenhum tiro foi disparado. O secretário de Segurança Pública, Roberto Aguiar, afirmou que em 15 dias, no máximo, anunciará as áreas onde será implantado o Grupamento de Policiamento em Áreas Especiais (GPAE), que atua há um ano e meio no complexo do Cantagalo-Pavão-Pavãozinho.?Os critérios para a escolha serão índices de violência, impunidade, dificuldade de policiamento e insegurança da população?, afirmou. Criado em 2000, durante a gestão do ex-governador Anthony Garotinho (PSB), o GPAE alcançou bons índices no combate à criminalidade, mas enfrenta acusações de conivência com o narcotráfico.?Quem diz isso não entende o que é GPAE?, rebate o secretário. O projeto, idealizado pelo sociólogo Luís Eduardo Soares, coordenador da equipe de transição da governadora Benedita da Silva (PT), é um dos destaques no plano emergencial de segurança pública entregue à governadora na segunda-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.