Controlador de Brasília se nega a falar sobre ponto cego

Não há previsão para o término dos depoimentos dos controladores, que são acusados de negligência

NELSON FRANCISCO, Agencia Estado

28 Agosto 2007 | 18h58

O sargento e controlador de vôo do Cindacta-1 de Brasília, Felipe Santos dos Reis, não negou nem confirmou a existência de pontos cegos no controle aéreo na região amazônica, onde ocorreu o acidente com o avião da Gol, em 29 de setembro do ano passado, matando 154 pessoas.   Indagado pelos advogados de defesa dos pilotos do jato Legacy, Joseph Lepore e Jan Paladino, afirmou: "Prefiro não responder". Ele foi o primeiro controlador de vôo a depor na Justiça Federal em Sinop, no Mato Grosso, no processo que apura as causas do acidente. Felipe Reis afirmou que autorizou o vôo até a região de Brasília. "Eu só posso responder pelo meu setor", disse o controlador de vôo. Ele disse ainda ao juiz federal Murilo Mendes que não sabe falar inglês. "Você sabe falar, por exemplo, sua mulher está doente?", questionou o juiz. O controlador respondeu que não.Segundo a denúncia do procurador Thiago Lemos de Andrade, Felipe Reis deu instruções erradas aos pilotos do jato executivo Legacy, não informando sobre as mudanças de nível que deveriam ocorrer durante o trajeto da aeronave de São José dos Campos, em São Paulo, a Manaus, no Amazonas. Os próximos depoimentos marcados são de Lucivando Tibúrcio de Alencar e Leandro José Santos de Barros. Não há previsão para término dos interrogatórios.

Mais conteúdo sobre:
vôo 1907choque aéreo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.