Controladora da Airbus vai mandar representante para a CPI

Na quinta-feira, um assessor de imprensa da empresa passou por saia-justa ao ser convocado pela comissão

Roberto Godoy, do Estadão,

03 de agosto de 2007 | 15h44

A Airbus Industrie, fabricante do jato A320, vai designar um de seus vice-presidentes da diretoria européia, para acompanhar no Brasil os trabalhos da CPI do Apagão e dar apoio à ação das equipes técnicas do Comando da Aeronáutica. Segundo um diretor do grupo ouvido pelo Estado, o executivo escolhido será necessáriamente um profissional especializado na segurança de vôo e em tecnologia aeronáutica. Até a noite desta Sexta-feira o processo de indicação estava em andamento. A Airbus é um consórcio europeu controlado pela corporação European Aeronautic Defence and Space Company (EADS) que mantém uma diretoria geral no Brasil. No País, os negócios do grupo chegam a 6 bilhões, cerca de R$ 15,2 bilhões. A empresa responsável pelo avião decidiu despachar um dirigente para dar explicações às autoridades, em Brasília, já na quinta-feira. O procedimento foi acelerado depois do incidente havido no mesmo dia, durante sessão da CPI. O jornalista Mário Sampaio, consultor da Airbus, foi convocado como se fosse o representante da companhia no Brasil. Na qualificação do depoente ficou claro o equívoco. Ainda assim, Sampaio recebeu uma advertência do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) sobre a necessidade de, estando sob juramento, "dizer apenas e verdade". O jornalista limitou-se a responder que a verdade é seu "padrão de vida". Grupo poderoso A EADS, controladora da Airbus Industries, fatura acima de 40 bilhões no mercado da Europa. Seus interesses no Brasil incluem a fábrica de helicópteros Helibrás, de Itajubá (MG) , responsável em 30 anos de atividades pelo fornecimento de 550 aeronaves e aproximadamente US$ 1 bilhão em vendas. O segmento Airbus trabalha diretamente da sede em Toulouse, na França, com a TAM, sua maior cliente na América Latina. A transportadora brasileira opera atualmente uma frota de 86 aviões A319, A320 e A330. Em 2006, o presidente da companhia, Marco Antonio Bologna, assinou um contrato para a compra de mais 31 unidades da família A320 e outros seis do tipo A330. Durante o ciclo de negócios do Salão de Aeronáutica e Espaço de Le Bourget, realizado há dois meses em Paris, a parceria foi expandida por meio de um memorando de entendimento para a aquisição de 26 jatos de passageiros: 22 novos A350, linha XWB, e 6 A320-200. O plano da EADS para o País prevê a fabricação em Itajubá do helicóptero Dauphin-2 e da sua versão militar, o Pantera - largamente usado pelo Comando do Exército - provavelmente já a partir de 2008. A Helibrás teria a exclusividade mundial dessa operação. A corporação responde ainda pela modernização dos mísseis Exocet do Comando da Marinha. Por meio da subsidiária espanhola CASA, cuida da revitalização tecnológica dos aviões de patrulha Orion P-3, comprados pelo Comando da Aeronáutica nos Estados Unidos, e pelo provisionamento de 12 cargueiros militares C-105 Amazonas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.