Controle aéreo brasileiro é criticado fora do País outra vez

A The Controller, publicação da Federação Internacional dos Controladores de Tráfego Aéreo (Ifatca), dedica sua capa de março e metade do conteúdo da edição a matérias e artigos sobre o choque do jato Legacy com o Boeing da Gol, que matou 154 pessoas em 29 de setembro de 2006.A revista reitera críticas da Ifatca às autoridades brasileiras, acusadas de darem explicações obscuras e conflitantes sobre o acidente. Distribuída desde a semana passada, a publicação "surpreendeu os especialistas do setor", relatou por telefone, de Genebra, um diretor da Ifatca, Christophe Gilgen."Os especialistas ficaram perplexos com as informações oficiais das autoridades no Brasil, com a posição da Aeronáutica e até da mídia, mais concentrados em procurar culpados do que em encontrar mudanças para os graves problemas do sistema aéreo local", disse Gilgen. Os textos da The Controller abordam como os controladores reagiram ao acidente e o tratamento psicológico dispensado a eles, a repercussão da tragédia na mídia, uma avaliação técnica sobre o transponder e as lições deixadas ao setor. Traz ainda reportagem do início dos anos 80 feita pela Ifatca no Brasil, que denunciava a má formação e a baixa remuneração dos controladores.Gilgen afirmou que, além de mal pago e mal formado, hoje o controlador brasileiro desconhece a língua inglesa e o padrão internacional de aviação. Ele criticou ainda a gestão do setor. Segundo Gilgen, falta transparência aos militares e o Brasil não teria equipamentos adequados à sua realidade nem planos emergenciais confiáveis, problemas comuns a todos os países da América do Sul.Procurada, a Força Aérea Brasileira não se pronunciou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.