Conversas de policiais cúmplices de Andinho foram gravadas

As conversas de dois policias de Campinas, Eudes Trevisan e Rogério Salum Dinis, com o seqüestrador Wanderson Nilton de Paula Lima, o Andinho, ocorreram em novembro do ano passado. Elas se referiam ao seqüestro de um empresário de 28 anos, ocorrido em Campinas.O empresário permaneceu 23 dias em cativeiro e foi libertado após o pagamento do resgate. Para a polícia de Campinas, a autoria desse seqüestro está esclarecida. O próprio Andinho teria confessado informalmente aos policiais de São Paulo, depois de ser preso em Itu, ter participado desse crime, além de outros dois seqüestros na região.O delegado da Delegacia Anti-Seqüestros de Campinas (Deas), Joel Antônio dos Santos, comentou que a polícia gravou cerca de duas horas de conversas entre os policiais e o seqüestrador. As fitas foram transcritas pela polícia técnica de Campinas. A transcrição integra o inquérito no qual Trevisan e Dinis são acusados de seqüestro e formação de quadrilha, em fase de conclusão.Nas conversas, os três trocam informações sobre o pagamento do resgate do empresário. Em um dos trechos, os policiais avisam que o carro a ser utilizado no pagamento do resgate pode estar com uma câmera filmadora. Explicam ao seqüestrador que ele não pode aceitar que o pagamento seja feito com o primeiro carro sugerido pela família. - Deixa ele primeiro falar ´Eu vou com um carro assim, assim, assim...´. Aí o cara fala assim: ´Qual é a placa?´ Aí o cara vai falar. ´Não, esse caro eu não quero.´ - Certo. - Certo? Não deixa ele ir com o carro que ele quer, porque tem carro preparado lá. - Preparado é o quê? - Hã? - Preparado pra quê? - Pra filmar...pra outras coisas assim. Entendeu? - Tá. Em outro trecho, os policiais pedem que o grupo se desfaça dos telefones que está utilizando. - Outra coisa. Pede pros caras se livrar dos "falador" lá, hein?- Não entendeu. - Pede pro cara se livrar dos "falador". - Mas então não vai fazer hoje? - É bom não fazer. Mas presta atenção no que eu tô falando cara... você entendeu? - Hã. - Fala pros caras pegar os aparelhos que eles têm com ele lá. - Hã. - Pra livrar os aparelhos de todo mundo... no desbaratino, sossegado, tranqüilo, para não dar bandeira... mas pra sumir com o aparelho de todo mundo. Em outra gravação, os dois policiais falam sobre o dinheiro que teriam recebido pelo caso. - Mas quanto deu isso aí? - Vinte, dez para cada um, meu, entendeu? - ... contas que ele falou. Quatrocentos e quarenta vezes trinta por cento dá quanto? Cento e vinte, né? - Hã. - Aí sobra quanto? Trezentos e vinte, né? - Hã. - Se for botar onze era pra ele me dar trinta conto, certo. Que ele falou ... cabeça pra dividir em dois, certo? - Certo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.