Maria Eduarda
Maria Eduarda

Copacabana tem homenagem para crianças mortas violentamente no Rio

ONG Rio da Paz faz manifestação em lembrança a um ano da morte da da estudante Maria Eduarda, vítima de bala perdida

O Estado de S.Paulo

30 Março 2018 | 13h25

Manifestação na Praia de Copacabana faz homenagem a crianças mortas de forma violenta no Rio de Janeiro. O evento foi organizado pela ONG Rio de Paz e marcado para a manhã desta sexta-feira, quando se completa um ano da morte da estudante Maria Eduarda Alves da Conceição, assassinada aos 13 anos ao ser atingida por uma bala perdida dentro da Escola Municipal Jornalista e Escritor Daniel Piza, em Acari, na zona norte. O evento reuniu cerca de 50 parentes de crianças vítimas da violência.

A mãe de Maria Eduarda, Rosilene Alves Ferreira, usava uma camiseta com foto da vereadora Marielle Franco, que a amparou na ocasião da morte da menina. Os manifestantes penduraram varais com os pertences de Maria Eduarda e de outras crianças vítimas de bala perdida na praia. Eles também fizeram 47 cartazes com os nomes de todos os meninos e meninas de até 14 anos que morreram vítimas de bala perdida entre 2007 e 2018. Alunos do colégio onde Maria Eduarda estudava também participam do ato e fizeram um minuto de silêncio.

++ 'Foi uma covardia tremenda', diz irmão de menina morta por bala perdida

++ RELEMBRE: Adolescente morta por balas perdidas é enterrada no Rio

Antônio Carlos Costa, fundador e presidente da ONG Rio de Paz, cobrou atitudes do governo. "Entre 2007 e 2018, 47 crianças morreram por bala perdida no Rio de Janeiro. Na sua maioria, moradores de favela. O derramamento de sangue desses meninos e meninas é o lado mais hediondo da criminalidade no Rio. O Governo do Estado tem obrigação de impedir que mais mortes ocorram", disse. "É também dever do estado indenizar todas as famílias cujos filhos foram mortos durante operações policiais. Hoje, a mãe da Maria Eduarda é mantida por meio da ajuda da parentes e amigos", concluiu. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.