Copel denuncia desvio de energia em empresa frigorífica

A Companhia Paranaense de Energia (Copel) informou hoje ter descoberto um desvio de energia elétrica estimado em R$ 1 milhão na empresa Frigorífico Maringá (Frigma), em Paiçandu, a 445 quilômetros de Curitiba. A delegacia de polícia da cidade instaurou inquérito para investigar o crime, que, calcula-se, vinha sendo praticado há cerca de um ano. Não foi possível conversar com nenhum responsável pela empresa na tarde de hoje.De acordo com a Copel, teriam sido promovidas alterações na fiação que passa pelos medidores de energia, impedindo o registro da maior parte da eletricidade consumida. "Como resultado da fraude, de cada 3 quilowatts consumidos, pelo menos dois não eram registrados", calculou o superintendente regional da Copel na região, Édson Sardeto. "No horário de ponta, quando o preço da energia é bem maior, o frigorífico não registrava nenhum consumo."Nos últimos meses, o Frigma vinha pagando em média R$ 35 mil no consumo de energia. Sardeto calcula que o valor correto seria de cerca de R$ 100 mil. "Quando suspeitamos que havia algo de errado, iniciamos investigações e obtivemos indícios concretos e indiscutíveis de fraude", afirmou. Segundo Sardeto, no fim de agosto, a Copel constatou que o lacre havia sido rompido e conseguiu mandado judicial para inspecionar os pontos de medição, o que era dificultado pela empresa.Em flagrante realizado hoje, os responsáveis pela Frigma que estavam na empresa assinaram um termo de reconhecimento de débito, evitando que fosse cortado todo o fornecimento de energia, necessária para manter as câmaras frigoríficas. A Copel vai levantar os valores que deixaram de ser pagos para buscar ressarcimento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.