RENATO CÉSAR PEREIRA|FUTURA PRESS
RENATO CÉSAR PEREIRA|FUTURA PRESS

Corpo carbonizado é de mulher desaparecida após briga com marido em Ribeirão Preto

Polícia Civil chegou à identidade de Fernanda Aparecida Delarice, de 36 anos, depois de recuperar uma tatuagem de borboleta na pele queimada

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

12 Abril 2018 | 14h25

SOROCABA - Um corpo encontrado carbonizado num canavial, à margem da Rodovia Anhanguera, em Jardinópolis, é de Fernanda Aparecida Delarice, de 36 anos, desaparecida desde o dia 31 de março, após uma briga com o marido, em Ribeirão Preto, interior de São Paulo. A Polícia Civil chegou à identidade da vítima depois de recuperar uma tatuagem de borboleta na pele queimada, em seu pé.

+ Estudante de Medicina é preso por espancar namorada até a morte

+ Unesp tem vigília após assassinato de estudante

O suspeito, o empresário Otávio Rodrigues da Silva, de 36 anos, viajou após o desaparecimento da mulher e está em um local incerto. A Justiça decretou a prisão temporária dele por feminicídio.

+ Em 24 horas, 5 casos de feminicídio são registrados no interior

+ Homem mata mulher a facadas e envia fotos para filha da vítima

Conforme depoimento de testemunhas, na noite anterior ao desaparecimento de Fernanda, vizinhos ouviram o casal brigando. No dia seguinte, um amigo do empresário foi chamado por ele e viu que havia algo enrolado na caçamba da caminhonete. “Essa pessoa alega que não sabia o que era, mas depois soube tratar-se do corpo da vítima. Estamos investigando se ele teve participação na ocultação do cadáver”, disse o delegado Claudio Sales Junior.

Imagens de uma câmera de segurança mostram Fernanda entrando em casa às 16 horas e não saindo mais de lá. No dia seguinte, elas mostram a picape de Otávio deixando o imóvel.

Ainda segundo o delegado, as marcas de sangue encontradas na casa indicam que o crime foi realizado no local. A mãe de Fernanda, Antonia da Silva Delarice, já havia dito à polícia que desconfiava do envolvimento do genro no sumiço da filha.

Relembre: Como funciona a Lei Maria da Penha?

No sábado, ela ligou para desejar feliz Páscoa, mas o genro alegou que Fernanda não podia atender pois estava no banho. Novas ligações foram feitas e não foram atendidas. O policial disse que há registro de boletim de ocorrência de Fernanda contra o empresário por violência doméstica, mas a mulher não pediu medida protetiva.

Conforme a mãe, Fernanda não se separava do marido porque tinha medo dele. O casal estava junto havia quatro anos e não tinha filhos. Segundo o policial, apesar da identificação positiva, ainda são realizados exames de DNA para a confirmação oficial da identidade de vítima.

Rodrigues da Silva é considerado foragido e responderá por feminicídio e ocultação de cadáver. De acordo com o delegado, a motivação do crime ainda está sendo investigada e será totalmente esclarecida com a prisão do suspeito.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.