Corpo de brasileiro executado na Indonésia é cremado; cinzas serão trazidas para o Brasil

Condenado por tráfico, Marco Archer, de 53 anos, foi fuzilado no sábado; única parente viva, tia do brasileiro trará as cinzas ao País

Aline Bronzati, O Estado de S. Paulo

18 Janeiro 2015 | 15h45

O corpo do brasileiro Marco Archer Cardoso Moreira, executado às 15h31 (horário de Brasília) de sábado (17), foi cremado, confirmou a assessoria do Ministério das Relações dos Exteriores no Brasil ao Broadcast. As cinzas serão trazidas para o Brasil pela tia do ex-instrutor de voo, a advogada Maria de Lourdes Archer, única parente viva do brasileiro condenado, que embarcou para Jacarta na última terça-feira.

Preso na Indonésia desde 2003, Moreira era carioca, tinha 53 anos e trabalhava como instrutor de voo livre. Ele foi detido quando tentava entrar na Indonésia com 13 quilos de cocaína escondidos dentro de tubos de uma asa delta em 2003. A droga foi descoberta ao passar pelo aparelho de raio-X, no Aeroporto Internacional de Jacarta. O brasileiro conseguiu fugir do aeroporto, mas acabou preso duas semanas depois.

Na sexta-feira, a presidente Dilma Rousseff tentou, em telefonema, convencer o presidente da Indonésia, Joko Widodo, a suspender a execução do ex-instrutor de voo, ressaltando que fazia um "pedido humanitário", "como chefe de Estado e mãe". No entanto, ela não obteve sucesso.

Após tomar conhecimento - consternada e indignada - da execução do brasileiro, Dilma lamentou o episódio e destacou que a pena de morte, condenada crescentemente pela população mundial, afeta "gravemente" as relações entre Brasil e Indonésia. A presidente ainda dirigiu uma mensagem de conforto à família de Moreira e convocou o embaixador do Brasil em Jacarta para consultas.

Além do brasileiro, o primeiro a ser executado por crime no exterior, cinco presos foram condenados à morte ontem na Indonésia. Outro brasileiro preso e condenado à morte em Jacarta, que teve o pedido de clemência feito por Dilma também rejeitado pelo presidente da Indonésia, foi o surfista Rodrigo Gularte. Ele foi detido em 2004, também no aeroporto de Jacarta, com 12 pacotes de cocaína.

Mais conteúdo sobre:
Indonésia Marco Archer

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.